O delegado Amadeu Trevisan ouviu na última semana novos suspeitos de participação no crime bárbaro cometido contra Daniel Corrêa, jogador do São Paulo emprestado ao São Bento. David Willian Vollero Silva e Igor King foram presos temporariamente e deram suas versões na última semana. Também nesta semana, já tinham sido ouvidos Allana, Cristiana e Edison Brittes. Aliás, o depoimento do suspeito que assumiu matar o jogador durou cerca de seis horas.

Após realizar as oitivas, o delegado revelou que Edison se livrou das roupas sujas de sangue em um córrego próximo ao local de desova do corpo.

Essa versão foi contada pelos dois suspeitos que disseram que Edison desceu do carro, enquanto os dois ficaram no local. Logo depois, o jogador teria sido morto e abandonado no matagal em São José dos Pinhais. Juninho Riqueza teria então pedido para comprar roupas novas no caminho e teria se livrado de suas roupas ensanguentadas. Durante a oitiva de Edison, ele já havia revelado que também jogou a faca, arma do crime, no mesmo córrego. Sobre as roupas, o suspeito que assumiu o crime, não tinha dito nada ainda.

Edison jogou provas do crime em um córrego

Amadeu Trevisan revelou à imprensa que Juninho abandonou as roupas o córrego e, durante o trajeto de volta para sua casa, parou em uma loja de roupas e mandou David ir até o estabelecimento para comprar novas peças. Na reconstituição do crime feita com ajuda de Juninho, ele já havia dito que jogou a faca no riacho. Ele inclusive usou uma pedra para mostrar onde o objeto teria caído e mostrar a força usada para arremessar a arma do crime.

"Ele (Edison) para em uma determinada loja e dá dinheiro para o David, que compra roupas novas pra ele. Aí ele dispensa essas roupas dele sujas de sangue e joga juntamente com a faca no riacho", disse o delegado, em entrevista coletiva.

David Willian Villero Silva, de 18 anos, e Igor King, de 20 anos, foram presos quinta-feira (08) em Curitiba e prestaram seus depoimentos na sexta-feira (09). De acordo com as palavras dos jovens, a vítima morreu ainda no porta-malas do veículo dirigido pelo suspeito.

Eduardo, primo de Cristiana, também foi preso temporariamente, mas deporá apenas durante esta semana.

Ainda sobre o caso

Caso Daniel: áudios após o crime, depoimento de suspeita e testemunha trazem novidades

Caso Daniel: três suspeitos de envolvimento no crime devem se apresentar à polícia

Caso Daniel: delegado diz que família mentiu, que atleta estava indefeso e descarta abuso

Não perca a nossa página no Facebook!