Dois suspeitos de participarem da brutal morte de Daniel, com requintes de crueldade e tortura, foram ouvidos na última sexta-feira (9) e revelaram detalhes do que viram, já no local onde Daniel foi praticamente degolado e mutilado. O corpo do jogador de 24 anos pertencente ao São Paulo e emprestado ao São Bento estava com marcas de tortura, sem as partes íntimas e com o pescoço cortado em um matagal em São José dos Pinhais.

Publicidade
Publicidade

O delegado do caso, Amadeu Trevisan, fez as oitivas com Ygor King, de 19 anos, e David Willian da Silva, de 18. A versão dos dois suspeitos foram convergentes entre si e revelaram detalhes do que aconteceu no dia do crime. Segundo os suspeitos ouvidos, Edison Brittes, ou Juninho Riqueza, era quem ditava as regras de tudo que iria acontecer e se impunha de forma agressiva. Os rapazes apenas cumpriram as ordens do homem por temerem pela vida e pelas consequências do que poderia acontecer.

Publicidade

Suspeitos coagidos

Na versão dos dois jovens, o espancamento começou mesmo dentro da casa do assassino confesso, por conta de Daniel ter 'mexido' com Cristiana Brittes. Na sequência, Edison coloca o jovem no porta-malas de seu carro e ordena que os dois, em conjunto com Eduardo Henrique da Silva, também entrem no carro para terminarem o serviço. Com receio, os dois jovens cumpriram a ordem.

Ao chegar ao local, entretanto, Edison ordenou que os dois ficassem dentro do veículo e partiu para a parte traseira do veículo Veloster, onde matou e mutilou Daniel.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Ele teve a ajuda de Eduardo, que também saiu do carro com ele. Foi Juninho quem carregou o corpo até o matagal e tentou ocultar a faca e as roupas sujas de sangue.

Como Daniel foi morto?

Os jovens dizem ainda que não viram o jogador ser morto, já que Edison, novamente teria coagido-os. Ele disse que se alguém olhasse a execução do crime, o fim deles seria o mesmo.

Como novidade, surgiu o fato de que Juninho jogou as roupas sujas de sangue no mesmo riacho onde jogou a faca.

Após isto, seguiu de carro até uma loja, onde pediu que um deles comprasse roupas para ele.

Eduardo ainda não foi ouvido, mas sua oitiva está prevista para o início da próxima semana. No depoimento de Edison Brittes, ele preferiu não dar detalhes de como matou Daniel e pediu para aguardar a perícia no corpo, para falar sobre os fatos concretos. Os jovens estão presos provisoriamente.

O delegado do caso também disse que não ouvirá Edison novamente.

Publicidade

Aliás, na visão de Amadeu, a família mente e diz que a cada testemunha e a cada evolução das investigações, o empresário muda sua versão. Também revelou que ele já estaria na quarta versão diferente do crime.

Ainda sobre o caso

Caso Daniel: áudios após o crime, depoimento de suspeita e testemunha trazem novidades

Caso Daniel: três suspeitos de envolvimento no crime devem se apresentar à polícia

Caso Daniel: delegado diz que família mentiu, que atleta estava indefeso e descarta abuso

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo