Anúncio
Anúncio

O caso Daniel, que já está em fase final de investigação e em breve será encaminhado ao Ministério Público para as devidas providências na Justiça, teve nova revelação nesta segunda-feira (12), após o testemunho de uma jovem que teria se relacionado com o jogador do São Paulo, emprestado ao São Bento. A moça de 19 anos disse que o empresário Edison Brittes obrigou que ela e outras pessoas que estavam na festa limpassem a bagunça que foi feita após o espancamento do jogador.

A moça, que é amiga de Allana Brittes, disse que até mesmo o colchão do casal foi cortado, na parte onde havia sangue. Até mesmo documentos e uma parte do lençol que ficou também suja de sangue foi retirada e tudo foi queimado, para não deixar rastros. A moça afirma que beijou Daniel Corrêa na festa de 18 anos de Allana, no camarote da boate Shed, mas que não conhecia muito bem o jovem.

Anúncio

Nova testemunha diz que assassino queimou provas do crime

Além de contar que alguns convidados tiveram que limpar a sujeira do espancamento de Daniel e confirmar que provas do crime teriam sido queimadas, a jovem ainda disse que Daniel estava aparentemente lúcido e não parecia estar embriagado.

A moça ainda confirma a versão das demais testemunhas, dizendo que não ouviu gritos de socorro, contrariando a versão de Edison, e que Cristiana Brittes, em momento algum, relatou ter sido vítima de abuso sexual por parte de Daniel.

Outra novidade no testemunho da jovem é que Edison, além de bater em Daniel, também teria dado alguns tapas na cara da esposa. Nesse momento, conforme a testemunha, Edison mandou que a porta fosse fechada, ao que Allana obedeceu.

Anúncio

Ela também teria pedido para que as agressões ao jogador parassem, mas que Edison não teria acatado, argumentando que estava em sua casa e ali quem mandava era ele.

Também em sua versão, ela afirma que Cristiana pediu pela vida do jovem, mas Edison a questionou se ela estaria defendendo o "vagabundo". No final de seu depoimento ela ainda afirmlu que foi instruída por Edison a dizer que o jogador tinha saído da casa sozinho, andando e que nada tinha acontecido ali.

Edison, Cristiana, Allana e outros três suspeitos estão presos. Segundo o delegado do caso, Amadeu Trevisan, os três familiares serão indiciados por homicídio qualificado, ou seja, com agravantes, e ainda por coação de testemunhas.

O corpo de Daniel foi encontrado mutilado, com facadas no pescoço e marcas de tortura ao longo do corpo.

Anúncio

Novidades sobre o caso Daniel

Caso Daniel: mulher de Juninho Riqueza muda depoimento e afirma que tentou salvar o atleta

Caso Daniel: câmera flagra Cristiana deixando celular em assistência dias depois do crime

Edison usou telefone de outro homem assassinado para ligar e confortar parentes de Daniel