A operação da Polícia Federal que investiga o envolvimento do vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade (MDB), em esquema de Corrupção prendeu novamente na manhã desta sexta-feira (9) o ex-executivo da J&F Ricardo Saud e o empresário Joesley Batista.

A prisão ocorreu no âmbito da Operação Capitu, um desdobramento da Operação Lava Jato que investiga desvios do Ministério da Agricultura no governo Dilma Rousseff (PT).

Publicidade
Publicidade

Pagamentos aconteciam dentro do Ministério da Agricultura

As investigações apontaram a existência de um esquema de pagamentos de propina realizados pelos irmãos Joesley e Wesley Batista a servidores públicos e agentes políticos que atuavam direta ou indiretamente no MAPA em 2014 e 2015.

O inquérito que resultou na Operação Capitu é baseado nas declarações do delator Lúcio Funaro que dizem que a JBS teria repassado a políticos do PMDB da Câmara a quantia de R$ 7 milhões em pagamento de propina a servidores e agentes que atuavam direta ou indiretamente no Ministério da Agricultura.

Publicidade

As transações teriam ocorrido entre 2014 e 2015.

A delação indica que o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade, teria recebido R$ 3 milhões dos R$ 7 milhões pagos pela JBS. Outros R$ 1,5 milhão teriam sido enviados ao ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ).

Além de Joesley e Ricardo Saud, a operação Capitu prendeu Marcelo Pires Pinheiro, Fernando Manoel Pires Pinheiro e Demilton Antônio de Castro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Lava Jato

A prisão de Joesley ocorreu por volta das 7h30 da manhã. Joesley e Ricardo Saud foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) e, em seguida, serão levados para a sede da Polícia Federal em São Paulo onde deverão ficar presos temporariamente.

Prisão temporária

André Callegari, advogado de Joesley Batista, afirmou em nota à imprensa que Joesley é "colaborador da Justiça e tem cumprido à risca essa função".

Segundo Callegari, é estranho o pedido de prisão em inquérito no qual o próprio Joesley atua como colaborador, entregando documentos e informações sobre o esquema. Callegari ainda ressaltou que se trata de uma prisão temporária e que Joesley irá prestar todos os esclarecimentos que se fizerem necessários para a elucidação dos fatos.

No total, 310 agentes da Polícia Federal participam da Operação Capitu e cumprem nesta sexta-feira, 9, 81 mandados, sendo 62 de busca e apreensão e 19 de prisão.

Publicidade

Além de São Paulo, a operação ocorre em outros quatro estados: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Paraíba.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo