Mais uma pessoa foi presa suspeita na participação da morte do jogador [VIDEO]Daniel Freitas. Na manhã desta quinta-feira (15), foi detido Eduardo Purkote Chiuratto, apontado como o responsável pela quebra do celular do atleta e pelo arrombamento da porta do quarto onde o jogador estava com Cristiana Brittes, além de ter participado do espancamento fora da casa.

Além dele, já estão presos Edison Brittes, dono da casa onde aconteceu o espancamento e apontado como principal suspeito de ter matado e mutilado o jogador, sua esposa Cristiana, com quem o jogador teria se relacionado [VIDEO], e sua filha Allana, que naquele final de semana comemorava 18 anos.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Polícia

Também foram detidos Eduardo da Silva, Ygor King e David Willian, que além de terem agredido o atleta na casa, ainda teriam acompanhado Edison até o local onde o corpo do jogador foi encontrado, em uma área rural de São José dos Pinhais.

Ele tinha um profundo corte no pescoço, provocado por uma arma branca, e foi mutilado.

Irmão de sétimo detido também estava na festa

De acordo com informações da emissora RPC do Paraná, o irmão gêmeo de Eduardo Purkote, detido nesta quinta-feira (15), também estava na festa ocorrida na casa da família Brittes. Segundo informações obtidas pelo veículo, os dois chegaram à residência por volta das 7h, pouco mais de uma hora antes de ocorrer o espancamento do atleta. Em depoimento prestado à Polícia nesta terça-feira (14), David William citou a presença dos irmãos na casa, porém disse que eles não agrediram o jogador e ainda teria evitado que eles participassem do espancamento.

Pulou o portão

Uma pessoa, ouvida na última terça-feira (13) na condição de testemunha, disse que também estava na festa e que ao notar que algo grave poderia acontecer, decidiu deixar a casa.

Porém, como ela estava trancada, ele precisou pular o portão da residência. Durante o depoimento, a testemunha disse ter ouvido Edison questionar o que Daniel estava fazendo no local com a mulher dele e se ele estava louco.

Ainda de acordo com essa testemunha, ele teria ido até o quarto onde estava Daniel e viu Edison o segurando pelo pescoço. Temendo que algo mais grave pudesse acontecer ao jogador, achou melhor ir embora da casa. Segundo relatou, saiu andando do local e notou, quando certa de meia hora depois, um carro, que parecia ser o de Edison, passou por ele em alta velocidade, mas não conseguiu identificar seus ocupantes.