Mesmo após já ter passado mais de um século de tramitação na Justiça, o Supremo Tribunal da Justiça (STJ) adiou mais uma vez a votação do processo que foi aberto por Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bourbon-Duas Sicílias e Bragança, conhecida como princesa Isabel, no ano de 1895.

O processo centenário seria julgado na data de hoje (27), porém, após o Ministro Antônio Carlos Ferreira, relator dos 2 processos ter acatado um pedido de adiamento feito pela família Orleans e Bragança, ficou decidido que a próxima votação deve acontecer no dia 6 de dezembro, conforme informações do despacho pulicado às 19h31 da última segunda-feira (26).

Segundo informações repassada por André Richter, da Agência Brasil, esse confronto judicial entre o Governo do Brasil e a família Orleans e Bragança teve início há 123 anos.

Processo centenário

A princesa Isabel impetrou uma ação de reintegração de posse do Palácio da Guanabara, que fica localizado no Rio de Janeiro, após o edifício ter sido confiscado no ano de 1889, com a proclamação da República pelos militares.

Atualmente, o Palácio da Guanabara é o local onde funciona a sede do governo do Rio de Janeiro.

Logo após o falecimento da princesa, no ano de 1921, a família Orleans e Bragança deu prosseguimento com o processo. Posteriormente foram abertos na Justiça outros processos com pedidos de igual teor, porém a Justiça os apensou, colocando esses para tramitarem juntamente com o processo da princesa Isabel.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Segundo os Orleans e Bragança, eles foram expulsos da propriedade que foi comprada pela filha de Dom Pedro, que começou a residir no local desde a década de 1860, na época de sua união matrimonial com o príncipe Gastão de Orleans, conhecido como Conde d´Eu.

Já o governo sempre afirmou na ação que o imóvel era utilizado como habitação para as representantes da Monarquia. E também que após o regime ter acabado no Brasil não tinha mais nenhum motivo para os representantes da realeza morarem nas dependências do “paço Isabel”.

Durante a década de 1960, o processo foi encerrado, porém mais tarde foi reaberta novamente pelos herdeiros. Nas vezes que o processo passou em instâncias menores, o governo venceu os Orleans e Bragança.

Até que no ano de 2009, os Orleans e Bragança recorreram ao STJ e ajuizou a ação na instancia superior.

Recentemente, no mês de setembro passado, a ação foi inserida na pauta, porém em seguida foi retirada, do mesmo modo que aconteceu no último dia (26).

A União também alega que o imóvel foi utilizado apenas como moradia e incluso ao patrimônio da nação após o fim do império, através do decreto em 1891.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo