Depois do crime do cachorrinho no Carrefour, que viralizou e comoveu o Brasil, um outro caso contra animais chocou uma cidade no Tocantins. Uma cadelinha de rua foi resgatada após levar marretadas na cabeça e desmaiar após as agressões. O animal, inclusive, foi pintado de vermelho para disfarçar o sangue.

A cadelinha que levou marretadas na região da cabeça foi resgatada por comerciantes [VIDEO]da cidade de Lajeado, no centro do estado do Tocantins, na última quinta-feira (6).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Polícia

Sangrando muito, o agressor ainda jogou tinta vermelha no animal para tentar encobrir as marcas da agressão. O suspeito confessou o crime e foi levado para uma delegacia.

Suspeito confessou o crime

O suspeito de agredir o animal e depois pintá-lo de vermelho para esconder as marcas de sangue foi detido e levado para a delegacia de Miracema, onde acabou confessando o crime.

Ele tem 55 anos e justificou as agressões alegando que estava embriagado. De todo modo, ele confessou estar arrependido das agressões e acabou sendo liberado. Segundo relatos dados ao G1, o homem [VIDEO]vai responder pelo crime em liberdade.

Cadela ficou em estado grave

A cadelinha foi resgatada por uma estudante da cidade, Talita Portilho, que mora na mesma rua do homem suspeito de agredir o animal. Ela ouviu os gritos e foi acudir o animal. Foi ela quem fez a denúncia e revelou que, ao ameaçar o agressor, ele pegou tinta vermelha e lançou sobre o corpo do cachorro, para disfarçar as marcas de sangue.

A jovem ainda disse que o animal ficou completamente desnorteado, com marcas da violência por todo o corpo e chegou a desmaiar. Também chegou a jorrar sangue pelo nariz e boca, e um dos olhos chegou a saltar para fora do globo ocular.

O animal chegou a ser tratado na pequena cidade por um veterinário local, mas devido a violência das agressões, e também por conta da falta de recursos, a cadela precisou ser levada até Palmas, capital do estado, onde haveria mais recursos. A estudante disse que precisaria de doações para custear o tratamento do bichinho, que depois dos cuidados e sobrevivendo às agressões, seria encaminhada para adoção.

Segurança do Carrefour assume que agrediu a cadelinha

O segurança acusado de agredir e matar uma cadela em uma unidade do Carrefour, em Osasco, na região metropolitana de São Paulo, no último dia 28, confessou o crime em depoimento prestado na Delegacia de Meio Ambiente, nesta quinta-feira (5), segundo o jornal Extra.