Neste último sábado (08), ativistas se reuniram na entrada do Carrefour em Osasco e protestaram por causa da morte de Manchinha, como era conhecido o cachorro que vivia no local e acabou sendo assassinado. A rede de supermercados informou que a área de vendas foi fechada, ficando aberto apenas o estacionamento que foi onde os manifestantes se reuniram.

O ato foi convocado pelas redes sociais e mais de 12 mil pessoas confirmaram presença, mas outras milhares, de várias regiões do Brasil, mesmo não podendo comparecer, deram total apoio.

Publicidade

Os organizadores pediram aos manifestantes para irem com roupa preta e levarem balões e flores.

Muitos manifestantes levaram seus cachorros para o protesto no Carrefour em Osasco e também cartazes pedindo justiça.

Vários carros que passavam pelo local foram abordados e os motoristas convidados a participar da manifestação, além de informá-los sobre o motivo de todas aquelas pessoas estarem ali.

Carrefour quer ajudar ONGs

Desde que o cãozinho foi assassinado nesta rede de supermercados em Osasco que a empresa vem sendo cobrada a se posicionar e assumir sua responsabilidade.

Muitos famosos usaram seus perfis nas redes sociais para pressionarem a empresa, além dos milhares de anônimos que continuam protestando na internet.

E os protestos estão surtindo efeito, pois o Carrefour divulgou uma nota informando que irá se reunir com algumas ONGs que cuidam de animais e ver o que elas estão precisando, para que as solicitações sejam analisadas e a empresa possa ver no que pode ajudar.

O Carrefour informou ainda que estará tomando uma série de medidas após a morte de Manchinha, começando pela revisão do treinamento que é dado a seus funcionários em relação à forma como devem tratar os animais.

Publicidade

A empresa também irá realizar mais feiras de adoção por todo o país e será criado do 'Carrefour Pet Day' que será no dia que o cachorro foi assassinado e então promoverá várias entidades que acolhem animais abandonados.

Depoimento do segurança do Carrefour

A Polícia Civil já está com o depoimento do segurança acusado de agredir o cachorro e ele disse que não tinha intenção de ferir o animal, apenas tirá-lo das dependências internas da empresa.

Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram o cão sangrando na pata traseira esquerda.

Ele foi levado por funcionários da prefeitura para uma unidade de socorro, mas acabou morrendo.

A SSP - Secretaria de Segurança Pública - não quis informar o nome do segurança e disse que ele usou uma barra de alumínio para tirar o cão do local, mas garantiu que não tinha intenção de machucar o animal.