Anúncio
Anúncio

Ao avançar das investigações do caso Daniel, uma das últimas informações que foi divulgada pelo portal UOL revelou que o suspeito que confessou o crime, Juninho Riqueza (Edison Brittes Júnior), trocou mensagens com o policial civil Edenir Canton, que está afastado de suas atividades de oficial, após ser acusado de participação em homicídio.

O aconselhamento aconteceu no dia 27 de outubro, antes mesmo de Edison assumir que havia matado o atleta do São Paulo que estava emprestado ao São Bento e fez sucesso em grandes times nacionais.

Segundo um áudio que foi divulgado pela RICTV (afiliada da RecordTV em Curitiba), o réu que confessou o crime pediu conselho para o Gaúcho (Edenir), que está afastado por suspeita de ter participado em um outro homicídio.

Advertisement

Áudio vazado pela RICTV mostra Edison pedindo conselho a policial civil afastado

Cláudio Dalledone, que defendeu vários outros suspeitos de crimes hediondos, como por exemplo o goleiro Bruno, foi desaconselhado, por exemplo, pelo policial ouvido por Juninho. Ele teria indicado um outro profissional do Direito. “Juninho, sou eu, o Gaúcho. Não vai atrás do Dalledone", disse o policial que em determinado momento usa alguns palavrões no áudio.

O profissional indicado seria Rafael Pellizzetti, que é o profissional que defende o policial em um caso que corre em segredo de Justiça, também no PR. Juninho então manda áudio ao advogado dizendo que gostaria de se encontrar com ele pessoalmente.

Cabe lembrar que o veículo Hyundai Veloster, usado por Juninho no dia do crime, estava em nome deste policial, o que pode comprovar a relação de confiança entre os dois.

Advertisement

O site de notícias UOL buscou mais informações com Pellizetti, sobre ele não estar representando Juninho Riqueza. O profissional de Direito disse apenas que "em virtude da brutalidade e covardia do crime, entendi que não poderia fazer esse tipo de defesa.". O advogado [VIDEO]do empresário, Dalledone, informou em nota fornecida pela assessoria do escritório que não comentaria "fatos marginais ao processo".

O caso Daniel

O jogador com passagens pelo Botafogo e São Paulo foi encontrado morto sem o pênis e com o pescoço quase completamente decepado. Segundo Juninho, ele tomou atitude tão radical após ver o jogador de futebol debruçado sobre sua esposa [VIDEO]e tentando estuprá-la. De todo modo, a Polícia não acredita na versão colocada pelo réu e o denunciou por homicídio qualificado. Sete pessoas viraram rés neste processo, incluindo a filha e a esposa do suspeito.