Atendendo à solicitação da Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, nesta terça-feira (4), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, permitiu abertura de procedimentos de modo a apurar se o futuro ministro-chefe da Casa Civil, do Governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, usou dinheiro de caixa dois da JBS, junto à Prefeitura de Porto Alegre. Os fatos, segundo a PGR, teriam ocorridos nas Eleições de 2012 e 2014. Ainda segundo a PGR, a denúncia surgiu dos depoimentos à Instituição, de diretores da J&F, vinculada à JBS.

Homem de ferro, como ministro-chefe da Casa Civil do presidente eleito Jair Bolsonaro, Onyx, também deputado federal (DEM/RS), afirmou, em entrevista à Rede Bandeirantes, ter sido realmente beneficiado duas vezes, com quantias no valor de R$ 100 mil cada, nas campanhas de 2012 e 2014. Pedindo desculpas aos eleitores do Rio Grande do Sul, Lorenzoni explicou que o alvo nos períodos era a Prefeitura de Porto Alegre. O deputado afirmou ainda que os R$ 100 mil de 2012 não entraram na prestação de contas.

Outros deputados e senadores na lista da PGR

Lorenzoni, que possui vídeo nas redes sociais, comentando que o Código Eleitoral Brasileiro de 1965 criminaliza o uso do caixa 2, não está sozinho. Edson Fachin solicitou também investigações da PGR sobre o comportamento dos seguintes deputados: Jerônimo Goergen ( PP/RS), Alceu Moreira (MDB/RS), Marcelo Castro ( MDB/PI), Zé Silva (SD/MG) e Paulo Teixeira (PT/SP). A lista da PGR inclui ainda, os senadores da República, Ciro Nogueira (PP/PI), Renan Calheiros (MDB/AL), Eduardo Braga (MDB/AM) e Wellington Fagundes ( PR-MT).

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Eleições

Bolsonaro afirma não haver consistência na acusação

O candidato Jair Bolsonaro, que venceu as eleições 2018, e deverá tomar posse como Presidente da República no próximo dia 1º de janeiro enfatizou que nada é preocupante sobre este caso. "Havendo qualquer acusação robusta de irregularidade, estamos acertados com o ministro Sérgio Moro, que comandará o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Nós tomaremos uma providência”, ponderou o eleito, durante entrevista coletiva.

Moro disse que Lorenzoni já se desculpo com eleitores

Indicado para compor a casta de ministros no governo do presidente eleito, administrando o ministério da Justiça e Segurança Pública, o juiz Sérgio Moro argumentou que houve reconhecimento do erro por parte de Lorenzoni.

Moro entendeu também que o deputado se desculpou perante seus eleitores que acreditaram em sua candidatura. “Ele mesmo admitiu o erro e pediu desculpas”, defendeu Moro semanas atrás. O juiz entendeu ainda que Lorenzoni tem a seu favor o embate com deputados, por ocasião da aprovação das 10 medidas contra corrupção.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo