Quem assistiu ao 'Conversa do Bial' desta última sexta-feira (07), certamente se surpreendeu, já que a atração global estava bem diferente do que é habitualmente. Pedro Bial decidiu fazer um programa diferente e quatro mulheres deram detalhes sobre os abusos sexuais que elas sofreram quando foram atendidas pelo médium João Teixeira de Faria, conhecido por todos como João de Deus.

O médium faz atendimentos espirituais desde a década de 70 em Abadiânia, Goiás, e atrai pessoas do país inteiro e até estrangeiros, entre anônimos e famosos.

Publicidade
Publicidade

Pedro Bial procurou deixar claro que a intenção do programa não era questionar a forma como João de Deus procurava curar as pessoas e nem questionar a fé das pessoas que o procuram, mas dar oportunidade a quatro mulheres que alegam ter sido abusadas por ele.

O apresentador contou que, acompanhado da repórter Camila Appel, dez mulheres foram ouvidas e denunciaram o médium, só que como o programa não tem tempo suficiente para receber todas, quatro delas foram selecionadas.

Por duas vezes, a produção do programa tentou entrar em contato com João de Deus para saber o que ele tinha a dizer sobre as acusações, mas não conseguiu. A assessoria do médium enviou uma nota declarando que ele 'rechaça veementemente qualquer prática imprópria em seus atendimentos'.

Mulheres deram detalhes dos abusos sofridos

Amy Biank, dos Estados Unidos, foi a Abadiânia por 45 vezes se consultar com João de Deus e levou cerca de 1.500 pessoas lá.

Publicidade

Ela disse que viu uma mulher sendo forçada a ter intimidades com o médium.

Zahira Nieleke Lous, uma holandesa, também contou sobre ter sido assediada e que ficou sem saber se o acusado incorporou uma entidade ou se apenas fingia. Ela disse que recebeu uma ordem de colocar sua mão nas partes íntimas do médium e ainda foi colocada de joelhos diante do sujeito.

Sem mostrar o rosto, algumas brasileiras também deram depoimentos e os relatos delas foram semelhantes, sendo que todas tiveram que ter intimidade com João de Deus.

"Não fui curada ou ajudada, fui abusada", disse uma das mulheres. Outra falou que precisou segurar as partes íntimas do homem e que isto hoje é uma ferida aberta dentro dela.

Zahira disse para nenhuma destas mulheres ficarem com vergonha e que as denúncias representam a esperança que elas têm de que algo seja feito a respeito.

Zahira já denunciou João de Deus no Facebook e acabou sendo criticada, pois muitas pessoas alegaram que o médium está ajudando muitas pessoas, mas fez questão de lembrar que ela não é a única, muitas outras mulheres estão relatando casos semelhantes.

Publicidade

Leia tudo