Na tarde da última quarta-feira (20), aconteceu o velório de Micaelly Luiza de Souza Santos, de 3 anos, que morreu vítima de espancamento. O velório aconteceu no Cemitério de Itaquera, que fica localizado na zona leste de São Paulo. A mãe e o padrasto da menina são os principais suspeito de terem cometido o crime contra a criança. Eles agora foram presos pela Polícia de forma preventiva por cerca de 30 dias, até que o caso seja resolvido.

O principal suspeito de ter cometido o assassinato da menina é Ewerton Queirós Laurenço, de 30 anos.

Ele mantém um relacionamento com Isadora Pereira de Souza, de 20 anos, que é mãe da menina. Os dois chegaram com a menina já morta no Hospital Planalto, que fica na zona lesta de São Paulo.

Relato na chegada ao hospital

Após chegarem com a menina no hospital, os dois foram encaminhados para a 22º Distrito Policial de São Miguel. A polícia ainda declarou que os acusados não confessaram a autoria do crime. Agora, o delegado responsável pelo caso afirma que estão aguardando que as análises feitas pelo Instituo Médico Legal (IML) cheguem a uma conclusão do que teria causado a morte da menina.

José Simão, que é pai de Micaelly, declarou que não sabia que a filha era vítima de agressões e que fazia um mês que ele tinha visto a menina pela última vez. Ele destacou ainda que não sabia de nada do que estava acontecendo com a menina e que a única notícia que ele recebeu foi que Micaelly estava morta. Ele não sabia sequer qual era o endereço que a sua ex-mulher estava morando com ela.

A avó materna da criança havia recebido a guarda provisória de Micaelly depois de uma agressão anterior a que levou à morte da menina.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

No entanto, ela alegou em seu depoimento que havia devolvido a menina para a sua filha, porque ela não tinha conhecimento que a guarda da menina já era sua. Ela então pediu para que a filha arrumasse as coisas da criança, que ela a levaria embora. A avó ainda declarou que não agiu de maldade ao pedir isso para a filha, e que fez isso por que Micaelly pedia muito para a avó para ir embora com ela para a sua casa.

A avó paterna da menina, Maria José Francisca dos Santos, disse que chegou a ficar com a menina durante oito meses.

Ela contou que quando a menina tinha quatro meses de idade, começou a cuidar dela e deixou até mesmo a mãe da menina morar junto dela em sua casa.

A criança já havia sido internada no hospital no dia 5 de novembro, com suspeitas de espancamento. O diretor do Hospital Tíde Setúbal, Carlos Alberto Velucci, informou que não tinha nada que fosse patológico, mas que apresentava hematomas em seu rosto, tórax e nos membros quando foi levada ao hospital nesta ocasião.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo