A Rede Globo, por meio do "Fantástico", causou comoção nos brasileiros ao contar a histórias de presidiárias transexuais e teve como protagonista a detenta que atende pelo nome de Suzy Oliveira.

Sem relatar o motivo das prisões das entrevistadas, veio à tona o crime cometido por Suzy e com isso, o desabafo de uma mãe que há dez anos perdeu seu filho, um menino de apenas nove anos de idade.

A entrevista a Drauzio Varella no 'Fantástico'

O "Fantástico" exibiu neste último dia 1° uma matéria comandada pelo médico Drauzio Varella, onde o profissional de saúde visitava e dava espaço a detentas transexuais a fim de que as mesmas expusessem suas histórias, bem como os dramas vividos no cárcere.

Drauzio Varella, que há anos faz um trabalho voluntário junto aos presidiários visitando cadeias do Brasil, durante a entrevista produzida para o dominical "Fantástico", deu ênfase a história da trans de nome social Suzy e se mostrou solidário a mesma, oferecendo-a um forte abraço após o relato da presa de se encontrar cerca de oito anos sem receber uma visita sequer.

A entrevista exibida em rede nacional pela Rede Globo foi assistida por diversos telespectadores e causou uma intensa comoção em parte do público.

Sensibilizados com o abandono relatado por Suzy, diversos brasileiros enviaram-lhe cartas e presentes, como livros e chocolates.

Motivo da prisão de Suzy gera revolta

Após o "Fantástico" exibir a matéria onde apontava o drama de Suzy Oliveira e outras presas trans, o real motivo da detenção da protagonista da entrevista foi divulgado.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária, Suzy é acusada de abusar e matar um menino de nove anos de idade.

Ainda sobre o crime, Suzy, cujo nome de registro é Rafael Tadeu de Oliveira Santos teria deixado o corpo da criança por 48 horas na sala de sua casa.

Mãe de menino morto por trans cede entrevista

Após Drauzio Varella entrevistar a trans Suzy e parte do Brasil se solidarizar com o fato da mesma ficar oito anos sem receber uma visita, o telejornal "Alerta Nacional", comandado por Sikêra Junior, na RedeTV!, deu espaço a mãe do menino morto pela detenta que ganhou destaque no "Fantástico".

Procurada pela equipe de jornalismo da RedeTV!, a empregada doméstica Aparecida dos Santos falou sobre o fato do acusado de abusar e matar seu filho ser apresentado como vítima à sociedade.

Indignada com a matéria exibida pela Rede Globo no "Fantástico", Aparecida declarou que ao ver a matéria de Drauzio Varella sentiu dor de cabeça e que até aquele presente momento em que era entrevistada, encontrava-se com o corpo tremendo.

Visivelmente emocionada ao recordar o que passara, ao ser questionada pelo repórter do "Alerta Nacional" a respeito de qual teria sido o pior momento da entrevista do "Fantástico", Aparecida revelou: "Foi ele receber um abraço, receber cartinha e receber bombozinho na prisão.

Eu recebi o que? Nada".

Não perca a nossa página no Facebook!