Adriana Carraro Neves é mãe de um menino autista de 12 anos. Ao comprar um galo e uma galinha para acalmar o filho, Adriana foi denunciada por seus vizinhos.

A família, que mora na cidade de Cascavel, no Paraná, recebeu notificações da prefeitura após as denúncias que geraram um aviso de que Adriana precisava se desfazer dos Animais de estimação no prazo de, no máximo, 30 dias.

Depoimento da mãe

A mãe relatou à equipe do G1 que seu filho, Marcio da Silva Junior, não sai de dentro de casa, e que a compra dos animais de estimação foi realizada para que ela conseguisse mudar este quadro. Ela relatou que a ideia estava funcionando muito bem e que o filho está saindo para pegar um sol, enquanto trata e cuida dos animais.

De acordo com Adriana, Marcio estava extremamente aflito devido ao isolamento causado pela pandemia do coronavírus e que, sem atividades escolares, a rotina dele acabou ficando muito complicada.

Prefeitura

Na cidade de Cascavel existe uma lei municipal que proíbe a criação destes animais em zona urbana. De acordo com a lei, nenhum animal que possa causar insalubridade ou incômodo podem ser criados nestas áreas. Existe também um decreto estadual que reforça a lei.

No entanto, a administração da cidade diz que o caso se trata de uma situação particular que causa sensibilidade. Desta forma, o caso permite reverter a situação da família e deixar que Miguel tenha seus animaizinhos de forma legal.

Comoção

Após receber a notificação, Adriana compartilhou a situação de sua família nas redes sociais e causou uma grande comoção por parte dos internautas.

Em um vídeo compartilhado por ela, a mãe mostra que o terreno onde os animais se encontram é bastante grande e que na região existem poucos vizinhos, provando que a permanência do galo e da galinha não causariam nenhum incômodo real.

Abalada com a denúncia, a mãe de Miguel questiona também aos usuários como pode uma pessoa denunciar algo que não lhe causa prejuízo algum, inclusive questionando o que exatamente estava sendo denunciado.

"Denunciar o quê?", reforçou Adriana.

O apoio à família, bem como os pedidos de que as aves possam ficar, estão sendo compartilhados fortemente nas redes, atingindo mais de 1,3 mil compartilhamentos.

Progressos

Ainda de acordo com Adriana, em apenas duas semanas de convívio com os animais, a família já percebeu avanços no menino Marcio. O comportamento claramente mostrava boas mudanças.

Caso a prefeitura da cidade não autorize a permanência dos animais, a família pretende buscar apoio médico, para que os benefícios da ave no tratamento de seu filho possam ser explicados.

A escolha de um casal de aves foi feita de acordo com Adriana, justamente porque são animais mais silenciosos do que um cachorro, além de mais calmos e que não façam muita sujeira no quintal.

Siga a página Fofocas
Seguir
Siga a página Natureza
Seguir
Siga a página Animais
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!