No último dia 13 de novembro, uma adolescente de 14 anos foi levada até uma unidade de saúde em Teresina, no Piauí, pois estava sentindo fortes dores abdominais. Uma das enfermeiras que atendeu a menina suspeitou que pudesse se tratar de uma gravidez e encaminhou a paciente para a Maternidade Dona Evangelina Rosa.

Na maternidade foi descoberto que a jovem estava em trabalho de parto, onde deu à luz aos 8 meses de gestação. Segundo a mãe da vítima, a adolescente teria contado após o parto que era abusada pelo avô há dois anos, mas que nunca contou por medo, pelo fato de ser ameaçada pelo homem.

A mulher contou que desde que se separou do marido, o pai da menina, a filha foi morar com o progenitor e os avôs paternos. A garota teria revelado que era abusada pelo parente nos momentos em que ficava sozinha com o homem, quando seu pai saía de casa e a avó ia trabalhar.

A mãe desabafou dizendo que é um desespero grande, pois jamais imaginava que o próprio avô faria uma coisa dessas com a neta. A mulher contou que a filha ainda pedia para que o avô não fizesse aquilo com ela, pois era a sua neta, mas não adiantava.

Avô, suspeito dos abusos, está desaparecido

A conselheira tutelar Renata Bezerra está acompanhando o caso, que foi registrado na Central de Flagrantes no dia 13 de novembro, mas posteriormente foi encaminhado para a Delegacia Especializada à Proteção da Criança e ao Adolescente.

A profissional disse que a mãe da adolescente ainda não foi ouvida. A Secretaria de Segurança Pública informou que o caso está correndo em segredo de Justiça, por envolver uma adolescente, e que por isso não podem se posicionar sobre a situação.

A mãe da menina pede que o caso seja solucionado o mais rápido possível e revelou que o avô da filha está desaparecido desde o dia em que ela foi levada para o hospital e deu à luz o bebê.

A mulher disse que espera que as autoridades tomem providências e que não imaginavam que esse tipo de coisa pudesse acontecer com a filha, que hoje em dia está sob os seus cuidados juntamente com o bebê.

A juíza Luíza de Moura Mello ressaltou a importância dos pais e responsáveis pelas crianças e adolescentes estarem sempre atentos aos comportamentos dos mesmos, observando qualquer tipo de mudança na forma de agir.

Ela orientou ainda aos pais manterem uma conversa aberta com os filhos e sempre confiarem no que dizem, para que os menores tenham confiança de revelar qualquer tipo de abuso ou violência sofrida.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!