Repercutiu no último domingo (22) nas redes sociais um vídeo que mostra a advogada Lidiane Brandão Biezok, de 45 anos, agredindo funcionários e clientes de uma padaria na zona oeste de São Paulo.

O caso, porém, aconteceu na última sexta-feira (20), Dia da Consciência Negra, e contou com ofensas raciais e também homofóbicas contra um cliente. Os policiais, ao chegarem ao local, conversaram com a mulher e a levaram presa por crime racial e homofobia.

A padaria Dona Deôla, onde ocorreu o incidente, lamentou o caso em seu perfil do Instagram e classificou como algo “repugnante”. A Polícia Civil entrou no caso logo depois que duas vítimas da advogada registraram um boletim de ocorrência no 91º Distrito Policial (DP), Ceasa.

A agressora foi solta, mas cumpre prisão domiciliar.

Segundo apuração do portal G1, nesse último domingo (22), a advogada Lidiane se defendeu, dizendo que a confusão começou logo após ser provocada por dois clientes quando estava degustando um sanduíche.

Entretanto, a mulher admite que exagerou e usou, inclusive, palavras de injúria contra esses dois e disse ainda que não tem nada contra os “gays” e nega que tenha usado termos racistas contra qualquer pessoa do local.

Segundo Lidiane, sua intenção não era ofender ninguém, pois se sentiu acuada e uma vítima no local de uma situação que não tinha como sair. De acordo com a advogada, ela foi "agressiva e muito estúpida", mas não tem nada contra homossexuais e pede desculpas.

A padaria se pronunciou

A padaria fez um comunicado confirmando as agressões contra funcionários e clientes e disse lamentar que na noite de sexta-feira, dia 20 de novembro, funcionários e clientes do estabelecimento, que fica na Pompeia, tenham sido alvos de ofensas raciais, homofóbicas e transfóbicas.

Por isso, seguindo as orientações da direção, a polícia foi chamada e as providências vão ser devidamente tomadas.

A padaria reforça em nota apoiar as vítimas do caso, classificado como “repugnante”, e se coloca à disposição para qualquer assistência.

Ainda, a padaria reitera o repúdio contra qualquer tipo de discriminação e o seu compromisso com a proteção e o bem-estar de todos seus funcionários e também dos seus clientes.

Vídeo

No vídeo, é mostrado que a mulher humilha a funcionária dizendo que ela ainda estava trabalhando na padaria e que ela não era “rainha da Inglaterra”.

Logo depois, o rapaz responde que ela (a funcionária) não estava ali para servir a advogada.

Em um outro momento do vídeo, Lidiane diz ofensas a alguns clientes com termos homofóbicos e arremessa, inclusive, objetos na direção de um dos rapazes. Confira o vídeo na íntegra.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!