O deputado federal José Mendonça Bezerra Filho, líder do DEM na Câmara, foi nomeado por Michel Temer para assumir o Ministério da Educação e Cultura. Em seu histórico, estão votações contra o ProUnieo FIES, bem como contra destinar 50% do Fundo Social do Pré-Sal ou 75% dos royalties do petróleo para a Educação, além de se posicionar também contra o investimento de 10% do PIB para o setor que agora chefia.

Foi o atual ministro ainda um dos principais defensores da proposta de emenda constitucional que permitiria às universidades públicas a instituição de mensalidades para cursos de extensão e pós-graduação lato ou strictu sensu (proposto que vai de encontro à exigência, na Constituição Federal, da gratuidade do ensino público).

Ao se analisar essa parte da atuação de Mendonça Filho, podemos prever a tendência do governo interino de reduzir consideravelmente o investimento nas políticas educacionais.

Sobre de que maneira se pretende melhorar nossa já sofrida educação, ainda não houve pronunciamentos detalhados. O novo ministro apenas afirmou que"tudo o que tiver impacto para a sociedade será mantido e fortalecido", mas diante do ajuste fiscal pretendido pelo governo, não declarou como se dará o fortalecimento.

No âmbito da saúde, há também previsão de corte de gastos, segundo o ministro Ricardo Barros, do PP, que afirmou que as verbas destinadas à Farmácia Popular e ao SAMU só devem durar até agosto, uma vez que o orçamento previsto para este ano pelo Ministério da Saúde teve redução de R$5,5 bilhões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Educação Michel Temer

Antes do afastamento da presidenta Dilma, algumas modificações de orçamento jáhaviam sido publicadas no Diário Oficial da União, como a redução de R$315 milhões destinados à Farmácia Popular. O MEC também promoveu cortes, suspendendo o auxílio de R$400, concedido a estudantes universitários em situação de vulnerabilidade econômica, pelo Programa de Bolsa Permanência (PBP).

Uma das ideias defendida pelos integrantes do governo interino é o de acabar com vinculações constitucionais como aquelas que determinam percentagem de gastos obrigatórios com saúde e educação, caminho que consideram mais viável que a elevação de tributos nesse momento de instabilidade econômica.

Outra medida a ser adotada é a de desvincular os benefícios dos valores estabelecidos para o salário mínimo, o que pode acarretar em redução nos valores de auxílios sociais como o Bolsa Família.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo