Duas novidades da indústria automotiva brasileira, que já tinham sido antecipadas, tiveram seus preços revelados nesta semana. O inédito Nissan Kicks chega em uma única versão, SL, topo de linha, a partir de R$ 90 mil. Já a nova geração do Civic, da Honda, traz quatro opções com valores entre salgados R$ 87.900 e estratosféricos R$ 124.900. Ambos são exemplos da inflação descontrolada que atinge este mercado, mostrando mais uma vez que, para as montadoras, o cliente fiel – aquele que segue sacrificando a própria vida e a da família para ter um zero-quilômetro na garagem – é quem paga o pato da queda nas vendas.

Nos Estados Unidos, o mesmo Civic que acaba de ser apresentado no Brasil – o mesmo, não, já que o de lá vem mais equipado – custa menos de R$ 87 mil, quase R$ 38 mil mais barato que o modelo “made in Brazil”.

Já o Kicks só começa a ser vendido nos EUA no ano que vem, mas, lá, seu preço partirá de menos de US$ 21 mil – o equivalente a menos de R$ 68 mil e, portanto, R$ 20 mil mais em conta. Nunca é demais lembrar que o poder de compra dos norte-americanos é, no mínimo, 3,1 vezes maior que o dos brasileiros, o que, multiplicado pela diferença de valores do crossover nos dois países, dá uma margem absurda de quatro vezes.

“Novo” Ford Edge

Ou seja, na prática, os brasileiros – só os ineptos, é verdade – vão pagar 4,1 vezes mais por um Kicks do que os norte-americanos. Mas o leitor não deve se assustar, porque na Índia, onde o Nissan começa a ser vendido ainda neste ano, o preço do modelo topo de linha já foi confirmado em 1,5 milhão de rúpias – o equivalente a R$ 73.255, quase R$ 17 mil mais barato do que no mercado brasileiro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

E o que é pior, no mercado indiano, a versão de entrada do modelo sairá por R$ 39.140, menos da metade do preço daqui.

Mas o movimento na cocheira de São Jorge não para por aí e, como diz o ditado, “enquanto houver cavalo, o santo não anda a pé”. A máxima, que pode ser traduzida para “enquanto o brasileiro aceitar a extorsão das montadoras, os preços não vão baixar”, também vale para o “novo” Edge, da Ford.

A segunda geração do modelo, que foi lançada nos Estados Unidos há dois anos, só é nova, mesmo, por aqui, onde desembarca por até R$ 240 mil – quase R$ 110 mil mais cara que sua antecessora!

Como o brasileiro engole de tudo e ainda bufa de alegria, a Ford não se deu nem ao trabalho de trocar a antiga – e beberrona – motorização V6 de 284 cv pela nova unidade EcoBoost, dotada de turbocompressor e injeção direta, de 319 cv.

E assim vamos...

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo