Seis após seu Lançamento e apenas dois depois da primeira reestilização, o Uno volta a se modernizar para seguir na briga dos compactos. Para as versões 2017, a Fiat privilegiou a parte técnica ao estilo, agregando tecnologias hoje indisponíveis até para os irmãos maiores Palio e Punto. É o caso da direção com assistência elétrica com função City, que substitui o sistema hidráulico em todas as versões, do controle eletrônico de estabilidade (ESC) e do assistente de saída em aclives (Hill Holder), ofertadospara toda a gama em um pacote, Kit Tech, que também inclui retrovisores elétricos, rádio Connect com entradas auxiliar e USB, além de viva-voz Bluetooth para smartphones e sensor de estacionamento, entre outros itens.

Os preços partem de R$ 41.840 (Attractive 1.0 Flex), passando por R$ 42.970 (Way 1.0 Flex), R$ 47.640 (Way 1.3 Flex) e chegando a R$ 49.340 (Sporting 1.3 Flex).

Os modelos Way e Sporting 1.3 Flex podem ser equipados com o câmbio automatizado Dualogic Plus, que encarece seus preços em R$ 4.350. Já o Kit Tech custa entre R$ 2.970 e R$ 4.500, dependendo da versão – sua lista de acessórios também muda um pouco, de acordo com o catálogo escolhido.

Visualmente, o Uninho mudou pouco, mas toda a linha está de coração novo. Os motores flexíveis 1.0 litro e 1.3 litro são da novíssima família GSE e, para ganhar sua primeira aplicação global, foram batizados de Firefly (vaga-lume, em inglês). Com potências de 77 cv e 109 cv, respectivamente, eles prometem mais força e eficiência, além de menor custo de manutenção e maior durabilidade. O propulsor 1.0 litro conta com apenas três cilindros, enquanto o 1.3 litro traz a configuração clássica com quatro cilindros.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Economia

Comparado ao antigo motor Fire Flex (1.0 litro, de quatro cilindros), o novo Firefly de 77 cv é 12% mais econômico, seja em ciclo urbano (13,1 km/l contra 11,6 km/l, com uso exclusivo de gasolina como combustível) ou rodoviário (15,1 km/l contra 13,4 km/l, com uso exclusivo de gasolina). Apesar de estes números mostrarem uma evolução, ainda não foi desta vez que o Uno se igualou a Ford Ka, Peugeot 208, Citroën C3 e Volkswagen Up!

no pináculo da eficiência. Já em termos de performance, o Uno está mais vivo: seu melhor tempo de aceleração de 0 a 100 km/h baixou de 13,8 s para 12,5 s (1,3 s mais rápido) e sua velocidade máxima subiu de 153 km/h para 157 km/h.

Nas versões equipadas com motor Firefly 1.3 litro, de 109 cv, houve ganho na autonomia urbana, que subiu de 12,6 km/l para 12,9 km/l (com uso exclusivo de gasolina) e perda na rodoviária, que caiu de 14,8 km/l para 14,1 km/l (com uso exclusivo de gasolina).

A boa notícia é que o sistema Start&Stop, antes disponível apenas para o modelo Evolution (usado como base de comparação), agora é item de série para esta motorização. Os números aferidos pelo Inmetro são piores que os obtidos pelo Chevrolet Onix 2017 e, se isso serve de consolo, o desempenho do Uninho melhorou: seu melhor tempo de aceleração de 0 a 100 km/h baixou de 10,8 s para 9,8 s, enquanto a velocidade subiu de 172 km/h para 177 km/h.

Visualmente, o Uno não consegue esconder o envelhecimento até certo ponto precoce. Por dentro, pouco mudou com novos grafismos para o quadro de instrumentos e opção de sistema multimídia com tela de 6,2 pol e câmera de ré - acessórios da grife Mopar. Seus preços, em relação ao modelo 2015, subiram até R$ 11 mil e a versão topo de linha, Sporting 1.3 Flex, chega a R$ 60 mil na sua configuração mais avançada.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo