Começaram as #chuvas! Como se sabe, as notícias sobre acidentes de trânsito aumentam significativamente nesta época do ano. Muitas pessoas ainda insistem em dirigir em tempo chuvoso da mesma forma que em tempo bom. Na verdade, todos os cuidados que se tem normalmente devem ser redobrados.

Infelizmente, na maioria das vezes, é preciso que alguém viva um acidente ou situação perigosa para passar a ter um comportamento prudente. Não seja essa pessoa! Confira oito medidas de #Segurança no trânsito para os dias chuvosos:

1 - Domínio sobre a direção

Independentemente de chuva, um dos fatores que mais causa acidentes no trânsito é a insegurança e/ou indecisão.

Quando começar a chover, desligue o rádio e foque toda a sua atenção no ato de dirigir, mas mantenha a calma. Procure ter o controle total do carro e ver antecipadamente as situações em que precise frear ou desviar de algum obstáculo.

Para isso, é importante ficar com as duas mãos no volante o tempo todo. Sim, você parecerá estudante de autoescola, mas terá mais firmeza na direção e conseguirá reagir rapidamente aos imprevistos.

2 - Distância de segurança

Para calcular se a sua distância é segura, conte quanto tempo demora entre o carro da frente passar por um marco na via (um poste, uma casa, uma esquina) e você passar pelo mesmo ponto de referência.

Em tempo chuvoso, se esse intervalo for menor do que 4 segundos, você ainda está muito perto. Se for difícil dirigir e fazer esse cálculo, dê uma distância de dois carros entre os veículos.

Esse intervalo garante espaço suficiente para desviar ou frear sem bater, caso você, o carro da frente ou outro veículo deslizem na pista. Serve também para evitar que o carro à sua frente jogue ainda mais água no seu para-brisa, atrapalhando a sua visibilidade, que já não está lá aquelas coisas.

3 - Velocidade e marchas

A tração do freio motor é útil para dar estabilidade em qualquer situação mas, sobretudo, na pista escorregadia. Por isso, mantenha a marcha sempre engrenada (essa é a única maneira de usar o freio motor). Se a chuva estiver forte, ande em marchas mais baixas.

Dirija abaixo de 60 km/h. Muitas rodovias possuem placas que especificam velocidades diferentes para tempo chuvoso e tempo bom. Preste atenção a isso e siga as indicações.

4 - Aderência

A aquaplanagem é o nome dado para a perda de aderência entre os pneus e a pista por causa da camada de água que se forma entre eles. Esse é um dos principais perigos ao se dirigir na chuva e o risco se torna muito maior quando os pneus estão com sulcos menores do que 5 milímetros, o famoso pneu careca.

Nesse caso, você perde totalmente o controle da direção do carro. Muitas pessoas que já passaram pela situação descrevem que a sensação é a mesma de estar sobre um sabonete em um chão molhado.

Por isso, tenha cuidado, inclusive, com a chuva fina. Muitos subestimam esse perigo, mas ela pode ser até mais grave do que a chuva grossa, por não conseguir tirar o óleo da pista. Como a água e o óleo não se misturam, formam camadas independentes e deixam a pista extremamente escorregadia.

5 - Reação à aquaplanagem

Quando você sentir que o seu carro está deslizando na água, resista ao impulso de frear como se não houvesse amanhã. Assim, você corre o risco de travar as rodas e fazer o seu carro patinar ainda mais.

Nesses casos, o correto é tirar o pé do acelerador e fazer movimentos leves com a direção. O peso do veículo abre um caminho na camada de água, como se fosse a proa de um barco, e recupera o contato com o asfalto. Qualquer movimento brusco no volante, no freio ou no acelerador é contraindicado.

Alguns motoristas experientes costumam acelerar para que as rodas girem mais e abram caminho na água. No entanto, como você pode imaginar, essa é uma prática um bocado arriscada.

6 - Visibilidade

Assim que começar a chover, ligue o limpador de para-brisa e o desembaçador. Em caso de visibilidade muito prejudicada, guie-se pelos faróis, faixas de trânsito e rastros na água deixados pelo carro da frente.

Há dias em que a chuva é tão grossa e os vidros estão tão embaçados que você não consegue ver um metro além do seu veículo, não é mesmo? Para piorar, da mesma forma que você está com dificuldades para enxergar, os outros motoristas também estão.

Para ver e ser visto no trânsito é importante ligar os faróis baixos. A vantagem dos faróis baixos é que eles são voltados para o chão e não ofuscam a visão dos outros motoristas. Não ligue os faróis altos ou de neblina, já que a luz reflete na água da chuva e piora ainda mais a visibilidade de todos.

7 - Identificação de obstáculos

Como você sabe, as ruas, estradas e rodovias brasileiras [VIDEO] estão cheias de buracos. Portanto, por mais que você se preocupe com o que vem de cima, não deixe de procurar por buracos e bueiros, que ficam cobertos pela água.

Nos dias normais, observe as ruas por onde costuma passar e tente memorizar a localização dessas irregularidades. Se distrair e passar por cima de um obstáculo desses pode causar sérios danos na mecânica do carro [VIDEO], principalmente no escapamento, lataria, eixos, peito de aço, sendo que os prejuízos mais comuns são pneus rasgados e rodas amassadas.

8 - Lugares para encostar o carro

Evite deixar o carro morrer, caso você se sinta como Noé em meio ao dilúvio. Se o volume de água ultrapassar metade da altura dos pneus, não dirija em hipótese nenhuma, pois seu carro pode ser levado pela enchente.

Sob chuva forte, evite parar em acostamentos. Isso pode confundir os outros motoristas e provocar acidentes. Sempre que possível, procure um lugar seguro para estacionar (um posto de gasolina, por exemplo). Abra o seu game preferido no celular e espere pacientemente a chuva passar

Claro, você tem muitos compromissos e prazos a cumprir. No entanto, se pergunte o que vale mais: ser pontual ou não virar estatística de acidente?