Não são só os ricos brasileiros insatisfeitos com a crise econômica que têm emigrado para Miami. Nesta terça-feira (19/01), autoridades de saúde do estado americano da Flórida confirmaram a chegada de um visitante indesejado: o zika vírus. Três casos foram registrados no estado; dois em Miami, por pessoas que estiveram na Colômbia, e um em Hillsborough, no litoral oeste do estado, por um mulher que viajou para a Venezuela.

Expansão continental

Antes de aparecer nos Estados Unidos, o zika vírus já havia sido detectado no Brasil, Colômbia, El Salvador, Barbados, Guatemala, Guiana Francesa, Honduras, Martinica, México, Paraguai, San Martín, Suriname e Venezuela. Como o vetor do vírus – o mosquito aedes aegypti – se desenvolve principalmente em regiões tropicais, os casos registrados na porção continental dos Estados Unidos até o momento foram de pessoas que contraíram a doença viajando pela América Latina.

Desde 2007, no da primeira detecção, 22 americanos foram diagnosticados com a doença. Contudo, o território de Porto Rico notificou o primeiro caso de zika transmitido localmente pelo mosquito.

A repercussão da epidemia

A apreensão causada pelo alastramento da zika já havia levado o Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC) a emitir um alerta para que gestantes evitassem o Brasil e outros países latino-americanos onde a doença se tornou epidêmica.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

A proximidade do Carnaval aumenta ainda mais o temor de uma aceleração na propagação do vírus.

Apesar de a zika não ser fatal, o zika vírus pode provocar microcefalia nos bebês de gestantes infectadas. O Brasil já contabiliza 3500 casos suspeitos de microcefalia, enquanto os Estados Unidos reportaram o primeiro caso neste ano em 16 de janeiro no estado do Havaí.

O versátil mosquito aedes aegypti já é velho conhecido das campanhas de saúde pública no Brasil por ser vetor – além da zika – do vírus da dengue (que só em 2015 atingiu 1,6 milhões de brasileiros), e da febre chikungunya, que também tem causado preocupação.

Os sintomas das três doenças são parecidos e facilmente confundíveis.

 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo