Cientistas anunciaram nesta quinta-feira, dia 11,que detectaram pela primeira vez ondas gravitacionais, que são as ondulações no espaço e no tempo, abrindo uma nova visão no estudo dos cosmos.

Deduz-se que as tais ondassurgemde uma colisão de dois buracos negros sendoobjetos muito densos cuja existência prevista por Einstein, é de trinta vezes a massa do Sol, ocorrida a 1,3 bilhão de anos-luz da Terra. Estamos detectando ondas gravitacionais,comprovando a teoria de Einstein.

O eventocompara-se a uma grandeza onde Galileu Galilei pegou um telescópio, para olhar os planetas.

As ondas, criadas por fortes colisões no universo, abriu porta para nova maneira de olhar o cosmos. É comouma sintonia do universo através da trilha sonora. Concluiu-se queas oscilações gravitacionaisforam produzidas por dois buracos negros em colisão.

A revelação pode ser a porta para uma nova forma de observar o universo, onde os telescópios não são capazes de perceber buracos negros e outros corpos, mas os pesquisadores começaram a observar ondas gravitacionais que eles produzem, tentando extrairmais informações de como estes objetos manipulam a gravidade.

Adescoberta é enorme, comparável à do bóson de Higgs em 2012, sendo uma partícula chamada de subatômica, chamada de partícula de Deus.Einstein achou que os cientistas nunca conseguiriam sentir essas ondas.

E com relação a gravidade, os pesquisadores poderiam começar a observar ondas gravitacionais produzidas, permitindo extrair mais informações de como estes objetos manipulam a gravidade. Poderiam criar oportunidade para deduzir a história do cosmos, até o seu princípio.

Os buracos negros giraram um em torno do outro várias vezes por segundo antes de se unirem, e gerando tais ondasenormes. Estes sinais acabaram chegando à Terra.O primeiro sinal, que confirma a existência das ondas gravitacionais foi detectado pelo Ligo em 14 de setembro de 2015 e, na Europa, pelo italiano Marco Drago. A descoberta ocorreu três meses depois dos cem anos da Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein.

Siga a página Educação
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!