Cientistas descobriram um material resistente que pode ser moldado e usado como parte do corpo humano, seria a solução para diminuir as filas para quem espera por um transplante de órgão.

Descoberta

Com a ajuda da tecnologia, um grupo de cientistas da Carolina do Norte (EUA) usa uma impressora 3D especial para criar partes do corpo humano. A bem sucedida parte foi uma orelha. Os testes estão sendo feitos em Animais de laboratórios. Os cientistas esperam conseguir usar esta técnica em seres humanos em breve.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Animais

Tecnologia junto com a Medicina

Com a tomografia computadorizada, foi possível criar a cartilagem do órgão humano, através da mesma técnica, além da orelha, os cientistas também criaram uma mandíbula.

Pontos positivos foram os avanços esperados nos experimentos.

 Procedimento fantástico

O material é bem poroso, o que possibilita a penetração do organismo humano ao material, que vai se adequando e formando uma nova estrutura, para que assim se conclua o transplante artificial, já que as próprias estruturas permitem que o oxigênio e nutrientes entrem nos canais que ele possui e o resultado é a formação de vasos sanguíneos.

O sistema deposita materiais biodegradáveis e géis especiais com base de água, que contém as células, uma estrutura é posta para garantir a resistência e após a conclusão a estrutura é removida.

Para o sucesso do procedimento foi necessário que o material obtivesse uma ótima rigidez, resultando assim um bom tamanho e resistência que serve significativamente para os seres humanos.

Os melhores vídeos do dia

 Outros testes não foram bem sucedidos por conta da falta de qualidade de materiais anteriormente testados.

Pequeno passo

O passo inicial foi dado, e assim desse pequeno passo, a um grande avanço, os cientistas esperam que depois de algumas outras  experiências e testes conclusivos em laboratórios, logo a humanidade terá a solução para cura de algumas doenças e a regeneração de alguns órgãos com o auxilio da tecnologia, que está cada vez mais sendo empregada na área da medicina atual.