O Brasil teve um aumento de 19% de casos da Síndrome de Guillain-Barré, entre janeiro e novembro de 2015, em relação a anos anteriores, conforme afirmou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com o jornal Estadão, houve um registro de 1708 casos da doença autoimune naquele período, o que corresponde a 5 casos, por dia. O maior número de casos foi registrado nos estados de Alagoas, com 516,7% de aumento, Bahia, com acréscimo de 196,1%, Rio Grande do Norte, com 108,7%, Piauí com 108,3%, Espírito Santo com 78,6% e Rio de Janeiro com 60,9% no aumento deocorrências.

Embora ainda não comprovado, segundo a OMS, há fortes indícios que a Síndrome émais um efeito devastador do mosquito Aedes aegypti, pois o avanço da doença foi registrado, exatamente, no mesmo período de maior incidência da dengue, Zika e Chikungunya, todas as doenças ligadas ao mosquito.

Para o Ministério da Saúde não há dúvida, e confirmou a associação entre o vírus Zika e a Síndrome de Guilhain-Barré. Para tanto, o Hospital da Universidade Federal Fluminense, Antonio Pedro, e a Fiocruz firmaram convênio para pesquisar o vírus e a relação com a Síndrome e casos de encefalite e encefalomielites.

O governo brasileiro tem dado muita ênfase a divulgação dos perigos do mosquito para as gestantes e osbebês, no entanto, faltam informações para os danos em relação a tal síndrome, que pode acometer qualquer pessoa.

A Síndrome

A Síndrome de Guillain-Barré é uma doençado sistema nervoso que se manifesta pela inflamação aguda dos nervos, e pode afetar pessoas de qualquer idade. Os sintomas são a fraqueza muscular progressiva, que, geralmente, se inicia pelas pernas, pode provocar perdas motoras e paralisia.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Relacionamento

A evolução da doença pode atingir tronco, braços, pescoço, músculos da face, deglutição e respiração. Em alguns casos, pode atingir também o funcionamento da bexiga, intestinos e sistema respiratório.

O tratamento é lento e pode levar alguns anos. Exige além de medicamentos fortes, muitas sessões de fisioterapia.

Em 2012, a cientista política e comentarista Lucia Hippolito foi acometida pela Síndrome, após uma viagem a Paris. Lucia ficou um ano internada, ainda tem dificuldades de locomoção, de fala eparalisia nas mãos.

Hippolito definiu a doença como "infernal".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo