Um experimento clínico realizado no Reino Unido deu à jovem britânica de 22 anos, Siân Rogers, um valor equivalente a R$ 16 mil reais.

O experimento foi realizado testando novos tratamentos para combater a febre tifoide, com duração de um ano. 

Siân disse ao News beat, programa de rádio da BBC, que aceitou se contaminar com a bactéria Salmonella Typhi, não somente pelo dinheiro, mas porque diz achar importante a prática de pesquisas clínicas, visto que a febre tifoide é causa de morte em alguns países. Ela informa que esse não foi seu primeiro experimento; no passado participou de outra pesquisa clínica relacionada ao vírus ebola.

Siân viu um pôster em sua Universidade Oxford Brookes convidando pessoas para participar do teste, decidiu participar, foi rejeitada e discriminada por algumas pessoas.

O teste 

Siân Rogers ingeriu um copo com água contendo a bactéria da febre tifoide, a Salmonella Typhi, após o procedimento recebeu material para proteção: avental, luvas, máscara e óculos.

Contou que na primeira semana não teve nenhuma reação, mas na segunda se sentiu mal e teve febre, com melhoras somente após fazer uso de antibiótico oferecido pelos médicos responsáveis pelo teste. Disse que a partir daí precisa ir ao médico para chek up somente 4 vezes durante o período de teste.

Febre tifoide

A febre tifoide é uma doença infectocontagiosa, tem distribuição mundial, de notificação compulsória causada pela bactéria Salmonella Typhi, é endêmica e está associada ao baixo nível social, falta de saneamento básico e condições precárias de higiene.

Os melhores vídeos do dia

Transmissão - A transmissão se dá pelo uso de água e alimentos contaminados com a bactéria Salmonella Typhi, pelo contato direto (mão-boca) com fezes, urina, secreção respiratória, vômito ou secreções de indivíduo infectado.

Sintomas - Os órgãos mais afetados costumam ser o fígado, baço, vesícula, medula óssea e todo o intestino. O paciente tem febre alta, dor de cabeça, mal estar, aumento do baço, manchas rosadas no rosto e diarreia com presença de sangue, em 15% dos casos pode ser fatal.

Tratamento - O tratamento é feito com antibióticos, sob orientação médica.