A agência americana de medicamentos e alimentos (FDA, na sigla em inglês), proibiu a utilização de 19 compostos que são utilizados em sabonetes antibacterianos. O órgão informa que os testes realizados não demonstraram nenhuma vantagem na eliminação das bactérias superiores aos normais e podem sim serem responsáveis por alguns problemas de Saúde.

Publicidade
Publicidade

Estes compostos podem desencadear a resistência das bactérias se usados à longo prazo. A efetividade de água e sabão não fica tão longe assim da demonstrada por estes sabões.

Uma das grandes preocupações da FDA é entender como esses compostos químicos atuam no organismo e por quanto tempo permanecem nele, já que alguns são absorvidos pela pele. Por serem absorvidos, o problema pode ser ainda mais grave, agindo dentro do organismo de forma ainda desconhecida.

Órgão dos Estados Unidos proíbe venda de sabonetes antibacterianos ... - com.br
Órgão dos Estados Unidos proíbe venda de sabonetes antibacterianos ... - com.br

Sabonetes antibacterianos podem ser perigosos

Além das superbactérias, alguns dos químicos podem causar problemas de desordem hormonal. O preocupante é que os sabonetes não matam 100% das bactérias, mas o resíduo de 0,1% é o que questionam os cientistas, se estes resquícios desenvolveram alguma resistência genética e assim tornou-se mais forte aos tratamentos.

Enquanto isso no Brasil, a ANVISA tomou conhecimento de detalhes dos estudos e de todas as informações sobre os produtos em questão e está em discussão de quais medidas adotar aqui no Brasil. A Proteste solicitou em 2012 estudos que comprovassem a efetividade dos sabonetes antissépticos de marcas disponíveis no Brasil, mas a grande maioria não cumpriu os requisitos e algumas marcas nem sequer cumpriram o que anunciam que é a eliminação de 99,9% de bactérias.

Publicidade

Entre os compostos mais problemáticos estão o Triclocarban e Triclosan, que são os mais comuns utilizados nos sabonetes e em outros produtos disponíveis no mercado. As empresas foram notificadas e tem um prazo de 1 ano para retirar esses produtos do mercado.

Por enquanto, a recomendação das agências é que utilizem na assepsia apenas água e sabão normalmente e caso queira utilizar um desinfetante, que utilizem álcool 60% no mínimo. O álcool também é indicado para limpar superfícies e desinfetá-las.

Leia tudo