Um misterioso amuleto metálico de seis mil anos de idade, fabricado no Paquistão durante o período neolítico (10 a 6 mil anos atrás), foi construído por meio de uma técnica de metalurgia utilizada até hoje pela NASA.

Descoberto na aldeia neolítica de Mehragarh, a peça é o mais antigo exemplo de um método que usa cera para duplicar objetos metálicos.

Conforme informações do periódico britânico Daily Mail, de quarta-feira (16), um recente estudo elaborado por pesquisadores europeus, desvendou a técnica em operação há seis mil anos, depois dos estudiosos usarem fotoluminescência para analisar o artefato.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Curiosidades

Segundo os cientistas, o processo consiste em acender uma luz sobre o produto manufaturado - neste caso o amuleto -, para, em seguida, medir a quantidade de luz refletida pelo objeto.

“Como materiais diferentes refletem diferentes quantidades de luz, isso permitiu aos pesquisadores identificar as matérias exatas usadas para fazer o amuleto”, comenta a jornalista Libby Plummer (Daily Mail).

O trabalho realizado pelos cientistas de um centro europeu especializado em estudos de materiais arqueológicos, situado no síncrotron SOLEIL (acelerador de partículas cíclico), localizado próximo a Paris (França), revela que o amuleto foi desenvolvido a partir de uma única peça metálica.

Após essa observação, cientistas concluíram que a confecção do artefato teve origem através de um processo conhecido como ‘cera perdida’, em uso até hoje pela Agência Espacial Americana (Nasa).

Pesquisadores explicam que para entender a criação do complexo artefato, tiveram de fazer uso de uma réplica do objeto original utilizando cera, para, na sequência, criar um molde na forma do amuleto.

Os melhores vídeos do dia

O estudo divulgado na revista Nature, mostrou que o artefato foi produzido por meio do derretimento do cobre num molde de argila pré-preparado utilizando a técnica da cera perdida.

Em resumo, após usarem a cera para elaborar o formato do objeto, o cobre derretido é inserido e, depois de algum tempo, o molde é quebrado e o objeto metálico pronto para ser exibido.

Estudiosos acrescentam que durante o processo, o cobre absorve uma pequena quantidade de oxigênio. Esse detalhe, dizem os pesquisadores, explica a detecção de óxido de cobre no interior do amuleto.

Usado até hoje pela NASA

Embora a técnica tenha sido desenvolvida seis mil anos atrás, estudiosos ressaltam que ela ainda é empregada na confecção de ligas de alto desempenho, onde são inseridas em objetos aeroespaciais, aeronáuticos e na biomedicina.

A Agência Espacial Americana também faz uso do método para desenvolver componentes da Estação Espacial Internacional e do jipe-robô Curiosity, em atividade em Marte desde 2012.

Além disso, o processo da ‘cera perdida’ também foi empregado em partes da sonda Messenger, que orbitou Mercúrio entre 2011 e 2015.

Apesar dos cientistas descobrirem o ‘modus operandi’ utilizado na fabricação do amuleto metálico, não souberam informar detalhes sobre a civilização responsável pelo método vigente até os dias atuais. Isso, ainda continua a ser um grande enigma.

Abaixo, veja um vídeo explicativo sobre a produção do amuleto.