De acordo com o site Daily Mail, do Reino Unido, dois estudos diferentes encontraram evidências de que existe um gigantesco oceano de água no interior do planeta Terra, localizado a aproximadamente mil quilômetros de profundidade. Os cientistas que fizeram a descoberta alertaram que se este oceano secar, pode causar o fim da vida como a conhecemos.

Segundo o Daily Mail, o primeiro estudo, chefiado por Mainak Mookherjee, e realizado por duas universidades (Universidade Estadual da Flórida, nos Estados Unidos, e Universidade de Edimburgo, na Escócia), estimou que existe muito mais água no fundo da Terra do que se imaginava.

O líquido está armazenado em um mineral chamado brucita, e embora a quantidade exata de água seja desconhecida, os pesquisadores acreditam que ela poderia representar até 1,5% do peso do nosso planeta, ou a mesma quantidade de água que existe em todos os oceanos superficiais juntos.

Mookherjee afirmou ao Daily Mail que este oceano profundo é crucial para a manutenção da vida no planeta, pois ajuda no processo conhecido como "convecção do manto" terrestre, responsável por mover rochas sólidas de regiões geológicas mais quentes para regiões mais frias, e pela formação dos vulcões.

Sem a água, Mookherjee disse que a convecção do manto e a atividade vulcânica da Terra cessariam, assim como a geração de crosta terrestre, o que acabaria parando todas as atividades planetárias.

Diamante encontrado no Brasil ajudou na descoberta

O outro estudo, conduzido por cientistas da Universidade de Illinois, também nos Estados Unidos, sugere que este oceano é muito mais profundo do que qualquer outro volume de água subterrânea já encontrada antes, e está a cerca de um terço da distância que vai desde a superfície da Terra até a borda do seu núcleo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Natureza

A revelação de tal fato foi possível graças a um diamante encontrado perto do rio São Luiz, localizado em Juína, no Mato Grosso. A pedra preciosa tem aproximadamente 90 milhões de anos, e foi expelida por um vulcão extinto há muito tempo que existia no local (pode parecer algo estranho, mas o Brasil já possuiu vulcões comprovadamente ativos na região do bioma atualmente conhecido como Cerrado).

Conforme revelou o Daily Mail, o diamante tem uma imperfeição em seu interior, contendo minerais que ficaram presos durante a sua formação, e ao examinar a constituição desta falha com o auxílio de um microscópio, os cientistas descobriram evidências da presença de íons de hidroxila, que existem na água.

Levando este fato em consideração, os pesquisadores chegaram à conclusão de que a Natureza da imperfeição deste diamante sugere que a pedra se formou no manto inferior da Terra.

Steve Jacobsen, que liderou este estudo, declarou ao site New Scientist que esta é a evidência mais profunda já encontrada sobre o processo de reciclagem de água no planeta.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo