De janeiro a outubro deste ano (2016), conforme dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), foram notificados cerca de 14.067 casos com diagnósticos positivos da doença no estado do Amazonas, isso representa um aumento de 118% em relação ao mesmo período do ano de 2015.

O primeiro semestre do ano é considerado a época de maior proliferação do mosquito Aedes, período em que começa também a estação das chuvas no Amazonas e em todo o Brasil. Então, agora é o melhor momento para que a população se mobilize para evitar que esses números se repitam no ano de 2017.

Até o momento, a maneira mais eficiente para acabar com as doenças como Dengue, Zika e febre Chikungunya, é impedindo a procriação do mosquito vetor, transmissor dessas doenças, o já conhecido, Aedes aegypti.

Tão famoso quanto o mosquito são as maneiras de impedir que ele continue se reproduzindo, levando assim, à diminuição da população Aedes e, consequentemente, das doenças por ele transmitidas.

Evitar o acúmulo de água parada que possa ser utilizada pelo mosquito como “berço” para seus ovos.

Se a ação mais poderosa é tão conhecida dos brasileiros, por que ainda estamos vendo os números das doenças causadas por esse mosquito aumentarem tanto?

A população precisa incorporar hábitos saudáveis e sustentáveis em relação ao ambiente e a forma de interagirem com ele. É indispensável que o cidadão brasileiro aprenda a fazer o descarte correto do lixo e a cuidar do interior, quintal e áreas adjacentes às suas casas. É responsabilidade de cada um de nós vigiar e trabalhar para que nossa casa não se torne um foco do mosquito.

Os melhores vídeos do dia

Abaixo, você encontrará algumas dicas:

  • Fechar corretamente caixas d´água, barris e tonéis usados para armazenar água.
  • Manter lajes e calhas sempre limpas evitando o acúmulo de água.
  • Descartar corretamente o lixo, em sacos plásticos bem fechados, e longe do alcance de animais que possam rasgá-los.
  • Não deixar objetos que possam armazenar água sem manutenção semanal, como vasos de plantas, baldes e bacias (lavar com sabão e escova pelo menos uma vez por semana).
  • Colocar areia nos pratos dos vasos de plantas.
  • Lavar os ralos e canaletas com água sanitária e sabão pelo menos uma vez por semana.
  • Não acumular entulhos nos quintais e terrenos baldios, etc.
  • Avisar as autoridades sobre a existência de casas, piscinas e terrenos abandonados e que precisem passar por inspeções.

É importante atentar para essas medidas, já que o período de chuvas da região se inicia em poucas semanas.