80% das doenças de coração, 90% dos casos de diabetes e 70% dos casos de alguns tipos de câncer estão ligados com hábitos de vida que incluem a alimentação. Uma Dieta não balanceada é apontada, juntamente com o tabaco, como sendo duas das maiores causas de morte no mundo. Por ai já vemos como uma dieta saudável pode ter uma influência positiva em todos aspectos da vida. De bônus, se alimentar bem pode contribuir para estética corporal ainda mais quando aliada a exercícios físicos. Mas o que é comer bem?

Como saber o que comer?

Novidades médicas sobre alimentação aparecem a todo momento na mídia. Mal dá para acompanhar, elas aparecem na mesma frequência com que troca-se de roupa e o prazo de validade delas é quase o mesmo tempo que demora-se para fazer a troca.

Dietas novas surgem, e muitas vezes a nova "moda" desmente o que a anterior dizia. Quantas vezes o ovo passou de vilão para mocinho? Agora é a vez do leite e do glúten.

Erra-se ao depositar tanta confiança a cada novo estudo que surge. E, se pensarmos que os estudos que investigam os efeitos da dieta em humanos e até mesmo os alimentos de forma geral são muito recentes - têm cerca de meio século - ponderaríamos muito mais antes de ir atrás da mais nova norma do mundo das dietas. No entanto, esses estudos, demarcam um ponto de partida para pesquisas mais aprofundadas e trazem aspectos, pontos em comum.

Pontos que são suficientes para conseguir comer de maneira saudável. Por exemplo, já se sabe que uma alimentação rica em grãos integrais e vegetais variados faz bem, assim como variar a fonte de proteína.

Passar muito tempo sem comer faz mal, pois o organismo entende que tem que estocar o que recebe em forma de gordura - por isso é recomendado comer de três em três horas, o que contribui também para acelerar o metabolismo, auxiliando na perda de peso. Basear a dieta em arroz branco e açúcar faz mal. Fazer da refeição um ritual tranqüilo e prazeroso faz bem.

E quando queremos fazer as pazes com a balança

Uma alimentação saudável pode sim contribuir para conseguir o corpo desejado. Na verdade, a alimentação é o ponto de partida. Se reeducar na hora da refeição é o ideal e essas mudanças ajudam a: eliminar toxinas do corpo, que causam inchaço e impedem o funcionamento pleno e correto do organismo; combater a retenção de líquido, eliminando o inchaço (que muitas vezes é responsável pela saliência na barriga); promover o bom funcionamento intestinal; acelerar a queima de gorduras geral do corpo (incluindo a abdominal); reduzir a inflamação abdominal.

Como começar

Adotar alguns hábitos pode ser o ponta pé inicial para uma vida melhor e consequentemente um físico melhor.

  • Incluir alimentos fibrosos na dieta. Folhas e vegetais, sementes, frutas com casca. Tudo isso contribui para o melhor funcionamento do intestino e consequentemente auxilia no processo digestivo. Só não se pode esquecer se fibras estão entrando água também deve entrar junto. Médicos e nutricionistas recomendam no mínimo 2 litros de água por dia.
  • Eliminar toxinas: procure alimentos in natura, nada de industrializados. Evite açúcares que não sejam do próprio alimento, ou seja, aquele doce deixe pra ocasiões especiais. E, se não se saciar com o açúcar das frutas opte pelo chocolate com no mínimo 70% cacau.
  • E, não se esqueça: Gorduras e carboidratos [VIDEO] devem estar presentes nas dietas. Mas prefira as gorduras encontradas dos peixes, nozes e azeite de oliva. E, entre os carboidratos, escolha aqueles presentes em grãos integrais, frutas e verduras.
  • Não seja radical, não saia cortando tudo da dieta procure substitutos. Experimente trocar a alface-americana da sua salada por espinafre, que tem diversos nutrientes e fibra. E alterne bifes com soja, frango ou peixes, por exemplo.