O cientista russo Dyomin Damir Zakharovich, da Nasa, afirma que a vida no planeta Terra será extinta no dia 16 de fevereiro de 2017.

Zakharovich diz que seus cálculos confirmam que um corpo celeste, batizado de ''2016 WF9'', que vem sendo monitorado pela NASA, e que possui cerca de um quilômetro de diâmetro, está em rota de colisão com a Terra.

A NASA confirma a existência do corpo celeste, grande e escuro, que ainda não possui uma identificação precisa - pode ser um asteroide ou cometa - e afirma que este está se aproximando da Terra, porém, que passará perto da órbita da Terra no dia 25 de janeiro e não colidirá com o planeta.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Ciência

Para Zakharovich, no entanto, a Nasa sabe que seus cálculos sobre a colisão estão corretos, mas não fala nada a respeito.

Segundo ele, o WF9 tem vindo em direção à Terra desde 2011e acertará nosso planeta, em cheio, no dia 16 de fevereiro, porém não há como prever onde.

Caso caia num continente, o choque causará explosões e deslocamento do ar e acabará com tudo que houver a sua volta. Se cair no oceano, poderá causar uma tsunami de proporções assustadoras. Quedas de asteroides podem desestabilizar também a órbita do planeta, modificar seu eixo rotacional e causar colapso de placas tectônicas, podendo ocasionar terremotos e outros desastres em cadeia.

A NASA diz que, de acordo com seus cálculos, o WF9 passará a 51 milhões de quilômetros da Terra, e que por essa razão, não há motivo para ficarmos alarmados. Como comparação, a agência espacial americana lembra o asteroide ''2016 RB1'', que passou raspando pela Terra em Setembro, à 40 mil quilômetros da superfície, uma distância quase 10 vezes menor do que a distância da Terra até a Lua.

A informação sobre o WF9 estar em rota de colisão com a Terra reacendeu a polêmica do planeta Planeta X - ou Nibiru,para os teóricos da conspiração - que supostamente também estaria em rota de colisão com o planeta.

Os melhores vídeos do dia

No entanto, não existe nenhuma comprovação científica da existência de Nibiru, que estaria previsto para nos atingir em outubro deste ano.