Quando se trata de depilação, as mulheres costumam se dividir. Algumas preferem algo mais natural reduzindo o mínimo possível de pelos, mas há outras que gostam de uma depilação completa. Porém, o que algumas mulheres não sabem é que quanto menos pelos pubianos maior a chance de contrair doenças e inflamações.

Com certeza você já ouviu falar que em todos os lugares existem bactérias, e por isso é muito importante manter higienizado qualquer objeto que vai tocar em sua pele.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Saúde

Muitas vezes um ato simples e diário, como se depilar, pode colocar a saúde em risco.

Mas, mesmo tomando os cuidados necessários, Dana Sedgewick, ex-chefe de cozinha, de 44 anos, quase perdeu a vida.

Logo após uma depilação, ela foi infectada por um tipo de bactéria mortal, que fez com que a sua pele na região das pernas apodrecesse. Os médicos cogitaram que ela talvez nunca voltaria a andar.

Dana, que vive na cidade de South Yokshire, na Inglaterra, contou que, como de costume, usou uma lâmina nova para realizar a depilação. "Como algumas mulheres, realizava minhas depilações diariamente. Dessa vez, como eu queria que fosse mais rápido, usei um novo aparelho", conta ela.

Porém, após dois dias, ela começou a sentir alguns sintomas. "Uma espécie de espinha que sangrava bastante apareceu na minha virilha", recorda Dana. Ela lembra que sentia náuseas e tonturas constantemente. Achando tudo muito estranho, decidiu procurar um clínico geral. O médico iniciou um tratamento a base de antibióticos além de outros remédios.

Os melhores vídeos do dia

Mas mesmo tomando os medicamentos receitado pelo seu médico, sua filha notou um sangramento em sua perna alguns dias depois. A pequena erupção vermelha assustou Dana, fazendo-a correr imediatamente para o hospital. "Quase não acreditei quando vi minhas pernas no hospital. Elas estavam com uma cor escura, com a carne podre. Cheguei a duvidar se iria conseguir sobreviver", desabafou Dana.

Daí, então, a vida da inglesa só piorou. Os médicos realizaram uma cirurgia de mais de dez horas tentando salvar as pernas e a vida de Dana. Foi retirada a pele que estava infectada e feito enxerto com a pele retirada das costas dela. Os médicos constataram que a paciente estava com sepse (conjunto de manifestações graves em todo o organismo produzidas por uma infecção) e que ela tinha apenas 30% de chance de se recuperar.

Durante a cirurgia, seus órgãos começaram a parar, com o coração sofrendo quatro paradas. Ela ficou em coma induzido durante nove dias.

O caso aconteceu no ano de 2012, gerando quatro longos anos de procedimentos médicos. Após 21 cirurgias na expectativa de melhorar a aparência, Dana está se recuperando em casa, onde mora com suas três filhas e seu marido.