O ginecologista é o profissional da medicina que tem como função cuidar da saúde do aparelho reprodutor feminino (vagina, útero e ovários) e das mamas, popularmente chamadas de seios ou peitos. Levando em conta este fato, é possível deduzir que o profissional exerce um cargo delicado, assim como qualquer outro setor da medicina [VIDEO].

Entretanto, por mais que o médico lide com assuntos sérios e específicos, existem algumas ocasiões que todo ginecologista odeia, mas nunca comenta com sua paciente, por exemplo:

Diagnóstico via Internet

Todos sabem que a internet ajuda e tira diversas dúvidas sobre os mais variados assuntos, mas acreditar em um diagnóstico encontrado em uma pesquisa feita na web é imprudência e pode gerar péssimas consequências.

Não se deve de forma alguma deixar de marcar uma consulta com o ginecologista por ter “achado a solução” na internet.

Partes íntimas peludas

Apesar de não existir obrigação alguma de se depilar para ter uma consulta com o ginecologista, o excesso de pelos na região das partes intimas causa um certo desconforto na hora da realização dos exames, às vezes, até um receio. Muitas pacientes sentem vergonha de serem examinadas sem terem se depilado antes. Por isso, é comum que as mulheres se depilem quando a data da consulta com o ginecologista está próxima.

Vergonha

Como citado no tópico acima, muitas mulheres sentem vergonha de irem ao ginecologista sem terem se depilado antes, mas é corriqueiro testemunhar uma mulher alegando estar com vergonha de ir ao ginecologista por outros motivos também.

Muitas vezes a causa disso é pelo ‘’simples’’ fato de ter as partes intimas examinadas por outra pessoa, um desconhecido. Por isso, é prudente deixar claro desde cedo a importância de uma consulta com o ginecologista, para que assim a vergonha não acabe deixando uma doença se intensificar pela falta de ir ao médico.

Esconder os sintomas

Um fato que infelizmente não é comum apenas nas consultas com o ginecologista: testemunhar pacientes escondendo sintomas por medo de serem diagnosticadas com uma doença grave. Por mais que o profissional seja estudado e treinado para cuidar dos problemas da paciente, esconder sintomas durante a consulta prejudica o diagnóstico, atrasando-o na maioria das vezes.

Não fazer os exames preventivos

Existem exames preventivos que devem ser feitos a cada três anos por mulheres na faixa etária dos 20 a 65 anos. Deixar de realizar estes exames por preguiça ou qualquer outro motivo é correr o risco de não identificar uma doença o quanto antes.