Pais e educadores estão sempre falando da temida fase da adolescência [VIDEO], mas quando exatamente ela começa? A Organização Mundial da Saúde (OMS) define que a fase dura dos 10 aos 20 anos. Já o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estipula que acontece dos 12 aos 18 anos. Alguns especialistas, porém, dizem que as crianças passam a ser adolescentes a partir dos 11 anos.

No entanto, o que se sabe exatamente é que a Adolescência é um período de muitos conflitos, pois as transformações corporais ocorrem de forma rápida e sem controle. Porém, é uma fase decisiva e essencial para o desenvolvimento humano e é nessa fase conflituosa, devido à elevação de níveis hormonais, que ocorre o aparecimento da acne.

A acne juvenil é um problema de pele muito comum em adolescentes entre 12 e 15 anos. Nesse período, o rosto é a parte do corpo mais atacada, embora ela possa se espalhar também pelos ombros e pelas costas.

Na puberdade, a pele se modifica sob a influência dos hormônios sexuais: as glândulas sebáceas funcionam além do normal, aumentando a produção da secreção oleosa. O material oleoso é eliminado para a superfície da pele através de pequenos canais que se abrem aos poros.

Apesar de não comprometer a saúde do adolescente, a acne prejudica o desenvolvimento emocional em decorrência a diminuição da autoestima, que podem agravar ainda mais o quadro. Existem estudos demostrando que os portadores da acne parecem ter mais prevalência de distúrbios psicossociais.

Embora algumas pessoas possam acreditar, não existe diferença entre acne e espinha.

Os melhores vídeos do dia

Ambas as terminologias representam a mesma patologia. Acne é o nome cientifico do problema. Enquanto espinha é a linguagem popular, em geral, relacionada a casos isolados. Na fase adulta, a acne também pode aparecer, principalmente em mulheres, muitas vezes associada a alterações hormonais.

Fisicamente, a acne pode ser tratada por meio de medicamentos, produtos que agem contra as bactérias causadoras da inflamação e com tecnologias da medicina estética. Por se tratar de uma doença deformativa, até mesmo as lesões mais leves podem influenciar negativamente a vida do adolescente. Para evitar marcas, as espinhas não devem ser espremidas.

Como a aparência preocupa preponderantemente os adolescentes no que se diz respeito à pele, é importante que os pais levem seus filhos ao dermatologista que passará o tratamento adequado, haja vista que cada pessoa é única e diferente de todas as outras.

Por ser uma coisa que chama a atenção na aparência, a acne pode contribuir para uma insegurança do jovem, principalmente quando começam a ser rotulados com apelidos. Dessa forma, todo Cuidado é pouco quando se trata da acne ou espinha, essa dupla infernal na vida de muitos adolescentes.