Como seria se nossas células de defesa fossem treinadas para combater células e tumores cancerígenos? Será que seria possível que as células do sistema imune "aprendessem" a defender o nosso organismo, de maneira correta e eficiente, dessa terrível doença?

Certamente, esse seria um passo extremamente importante para vencer definitivamente o câncer [VIDEO] e a melhor parte é que isso começa a se aproximar dos brasileiros.

Aprovada nos Estados Unidos no final do mês de agosto, a Terapia Genética promete ser um salto estratégico na busca pela cura [VIDEO]da doença.

Muitos centros estão interessados em trazer a terapia ao país e um deles já preparou as condições necessárias para trazê-la no próximo ano, depois de ter levado pacientes brasileiros para instituições fora do país.

Márcia D'Umbra, de 50 anos, venceu um melanoma agressivo após se submeter a este tipo de tratamento em Israel

Márcia descobriu um câncer de pele agressivo aos 45 anos de idade e passou por um Tratamento experimental em Israel. Ela realizou o tratamento do TIL, há 5 anos. "Quando vou ao consultório, o médico brinca: estou quase achando que você está curada", diz Márcia em entrevista concedida ao G1. "Era a única chance que ela tinha", diz Antonio Buzaid, do Einstein, que ajudou Márcia a conseguir o tratamento em Israel.

Antes de tentar o tratamento genético experimental em Israel, Márcia passou por todos os procedimentos considerados protocolos clínicos para o tratamento do melanoma aqui no Brasil. Ela passou por quimioterapia e utilizou todos os medicamentos, considerados de ponta, disponíveis para o tratamento do seu tipo de câncer, como o ipilunumab.

Além disso, Márcia e sua família buscaram por um tratamento nos Estados Unidos, no entanto, ela não correspondia aos critérios pré-estabelecidos para ser inserida no protocolo e portanto não pode ser selecionada para o tratamento.

Apesar de todos os esforços, nenhum desses tratamentos estava surtindo efeito e foi então que ela conseguiu ser aceita para realizar o tratamento experimental em Israel.

Veja a opinião de alguns especialistas:

"É o mesmo conceito hoje da Aids, o câncer pode deixar de ser letal e ser controlável. As terapias estão caminhando nesse sentido", afirma Wilson Pedreira, diretor do Centro de Oncologia do Hospital Einstein.

Segundo Antonio Carlos Buzaid, oncologista do Hospital Israelita Albert Einstein, especializado em melanoma, "São as células-soldado do sistema imune que entram em ação contra o tumor".