Incentivador da busca de tratamentos de doenças transmissíveis como o HIV, Bill Gates, fundador da Microsoft , assume a causa da doença de Alzheimer.

Apesar de muito se falar sobre Alzheimer, ainda hoje a doença é equivocadamente conhecida por muitos como "esclerose" ou "caduquice". Frases como: "Ah! Ela já está esclerosada!" ou "Ele já está caducando!" são comuns entre nós e, por vezes, até motivo de risos, mas quem usa esse tipo de linguagem, certamente, desconhece o verdadeiro mal que é o Alzheimer.

A doença foi identificada pelo médico alemão Dr Alois Alzheimer através de um caso descrito em que uma mulher chamada "Auguste D." sofria de perda de memória e mudança de comportamento.

Durante autópsia, ele descobriu que seu cérebro tinha encolhido significativamente e havia depósitos incomuns dentro e ao redor das células nervosas.

A doença de Alzheimer é incurável e atinge mais de 15 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, certa de 6% da população idosa tem a doença que provoca diminuição das funções cognitivas e redução da capacidade de discernimento.

Existem sinais que alertam para um diagnóstico precoce da doença, seus principais sintomas podem ser falhas da memória, confusão mental ou irritabilidade e agressividade, apresentados muitas vezes por volta dos 30 anos de idade. Nesses casos, o fator principal é a hereditariedade, porém são facilmente confundidos com estrese e cansaço.

Ciente da necessidade de novos esforços, Bill Gates investiu 100 milhões de dólares do seu próprio dinheiro, sendo 50 milhões para Dementia Discorvery Fund - um fundo de capital de risco especializado com o objetivo de descobrir e desenvolver tratamentos inovadores para a demência - e outros 50 milhões para startups que possuem a mesma finalidade.

Bill Gates abraça a causa como luta pessoal e revela que muitos homens em sua família que tiveram a doença e, por isso, já viu de perto como é difícil, mas acredita que há solução e que "qualquer tipo de tratamento seria um grande avanço de onde estamos hoje, no entanto, o objetivo a longo prazo tem que ser cura".

Respondendo uma pergunta sobre a preocupação com sua saúdem Gates diz: "Qualquer coisa em que minha mente se deteriore é um de meus maiores medos. Espero poder viver muito tempo sem essas limitações".

O filantropo deixa claro também que esse não é o único motivo de sua doação e interesse pelo desenvolvimento de métodos que retardem o crescimento da doença e mesmo a descoberta da cura da doença. Gates demonstra entusiasmo e grande otimismo quando fala do assunto e diz que é "crente na ciência e inovação"