O neurocientista Gregory Berns, da Universidade Emory, (Estados Unidos) causou um grande burburinho nas redes sociais [VIDEO] depois de ter revelado qual foi a conclusão que ele chegou depois de ter estudado o cérebro dos cachorros.

A equipe liderada pelo neurocientista treinou quinze cães. Durante o treinamento, eles foram submetidos a um ambiente tranquilo. Eles escutavam músicas e relaxavam. Após fazer esse experimento, Gregory chegou a conclusão de que ‘cães também são pessoas’.

Segundo o cientista, os cães possuem grande habilidade de demonstrar emoções positivas como o apego e o amor. De acordo com seu experimento, isso significa que o nível de habilidade dos cães pode se comparar com a de uma criança humana.

As declarações do neurocientista foram publicadas em um artigo do jornal New York Times.

Como funciona o cérebro dos cães

O experimento de Gregory teve seu início em 2012. Inicialmente o neurocientista usou sua própria cadelinha de estimação para fazer os primeiros testes. Antes dele submeter sua cadela Callie à ressonância, ele a treinou durante meses. Foi esse treinamento que possibilitou que os cientistas pudessem ter em mãos um mapa que mostrasse toda a atividade cerebral canina. Posteriormente, Berns e sua equipe conseguiu mapear a atividade cerebral e dessa forma determinar quais seriam as partes do cérebro canino que são responsáveis por fazer com que os cães diferenciem o cheiro de outros cães, de humanos familiares [VIDEO] ou desconhecidos.

A parte do cérebro que é responsável por processar o sistema de recompensa dos cães foi detectada pelos cientistas.

De acordo com sua equipe, os 'pets' sabem exatamente quando o dono tem ou não uma recompensa para dar em troca da ‘patinha’. Gregory explicou que quando os cães avistam seus donos ou percebem que irão ganhar comida, o núcleo caudado trabalha mais. Esse núcleo caudado é uma parte do cérebro que está cheia de um tipo de neurotransmissor. Esse neurotransmissor é comum em seres humanos: a dopamina, que proporciona sensação de prazer e bem-estar e faz parte do sistema de recompensas.

Os membros da equipe fizeram algumas comparações. De acordo com o resultado, a sensação que um cão tem ao ver a pessoa que cuida dele é bem similar com a que os seres humanos experimentam quando treinam em uma academia e sentem prazer de treinar por saber que conseguirá alcançar os resultados esperados. De acordo com Berns, o sentimento é realmente idêntico.

Lembre-se de deixar o seu comentário. Sua opinião é muito importante para a nossa equipe e sempre ajuda no diálogo.