Um estudo feito no Brasil acaba de descobrir algo espantoso. O resultado da pesquisa é capaz até de desencorajar você a colocar a mão no celular, algo praticamente impossível nos últimos tempos.

Nem mesmo pegar em um aparelho de outras pessoas é recomendado sem antes tomar uma providência urgente.

A pesquisa foi realizada pela Devry Metrocamp, em Campinas, São Paulo.

Perigoso

Segundo a conclusão dos pesquisadores brasileiros, os inseparáveis celulares carregam consigo até 23 mil tipos de fungos e bactérias.

Os micro-organismos podem provocar doenças como infecções respiratórias e urinárias, além de intoxicações alimentares, conjuntivite e micoses.

Análise

O estudo analisou 74 amostras, entre celulares, capas de proteção dos aparelhos móveis, tablets, teclados e mouses. O micro-organismo mais encontrado foi a bactéria Staphylococcus aureus, presente em 43% dos objetos analisados, ou seja, quase a metade deles.

A bactéria provoca infecção na pele, como furúnculos e abcessos. Também pode causar infecção das vias aéreas superiores, como sinusite e otite. Há risco até de o usuário pegar meningite, infecção das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal, doença que pode levar à morte.

Se não bastasse tudo isso, os celulares analisados tinham, ainda, a presença de bolores e coliformes fecais.

Sapato ou celular?

É fato [VIDEO] que, se o cachorro ainda fosse, na prática, ‘o melhor amigo do homem’, o animal, certamente, ganharia no quesito limpeza se comparado ao telefone celular que, há tempos, roubou o lugar dos quadrúpedes no coração de muita gente.

A conclusão do estudo é a de que o celular é mais sujo que a sola dos sapatos e mais infectado que um vaso sanitário.

Imagina, então, se o usuário, após usar o telefone móvel, levar a mão à boca ou coçar os olhos, por exemplo.

Outro grande risco é para as pessoas debilitadas, que já estão com o sistema imunológico fraco, e também para as crianças, que gostam de pegar o celular dos pais [VIDEO], alerta a biomédica e doutora em ciências de alimentos Rosana Siqueira, orientadora da pesquisa realizada pela estudante Claudia Tonetti.

O que fazer?

Apesar de tanta sujeira e de tantos riscos que o celular que todo o mundo carrega oferece, a higienização é muito simples.

Para escapar do risco de doenças e usar o aparelho sem medo, basta pegar um lenço de papel, umedecer com álcool isopropílico, vendido em lojas de materiais eletrônicos, e esfregar levemente.

Se não encontrar o produto, os lenços umedecidos para bebês também podem ser utilizados.

Outra dica importante é manter o aparelho em local seco e arejado.

Por fim, é importante ter a consciência de que o celular em si não é contaminado, o problema é a falta de higienização das mãos do usuário. Por isso, é fundamental usar o álcool em gel com frequência.