Importante glândula que fabrica hormônios reguladores do funcionamento do corpo humano, a tireoide pode, em algum estágio da vida apresentar disfunção, ou seja, ela pode lançar mais ou menos quantidade de hormônios, ocasionando efeitos colaterais que, por vezes, as pessoas atribuem ao cotidiano apressado e desregrado que se vive atualmente.

A ciência classifica de duas maneiras o funcionamento anormal dessa glândula localizada na região do pescoço e que envolve a traqueia.

Quando a tireoide produz pouco hormônio, significa que a pessoa apresenta hipotireoidismo. O seu contrário, isso é, a tireoide fabricando hormônio acima da quantidade ou além da conta, o paciente tem hipertireoidsimo.

Tanto um quanto outro merecem atenção especial e acompanhamento médico. [VIDEO] A surpresa mais recente veio de uma pesquisa realizada a pedido de uma grande multinacional do ramo farmacêutico.

Cerca de 6150 mulheres ao redor do mundo responderam um questionário – incluindo as do Brasil – onde se analisou o seguinte: várias mulheres não enxergam uma possível relação entre a disfunção da tireoide com problemas de insônia e sonolência. Assim, o percentual de 49% pensa que estes sintomas originam-se do estilo de vida moderno.

O caso brasileiro

Diversas mulheres (total de 1003) fazem uma associação entre o mau funcionamento da glândula com alterações no peso, ansiedade e cansaço excessivo.

No entanto, muitas brasileiras não estabelecem nenhuma ligação com a perda de concentração e com a falta de motivação.

Um quadro mais grave se desenha quando a grande parte do público feminino vê como normal outros problemas em sua saúde: diminuição progressiva da audição, dificuldades para engravidar ou evacuar e modificações no ciclo menstrual. Em média, apenas um quarto das participantes admitem que a tireoide pode ser a causadora desses efeitos. O restante envereda pela insistência de que tais problemas são causados pelo cotidiano agitado e apressado.

Segundo um membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, os distúrbios da tireoide são de cinco a dez vezes mais comuns entre as mulheres. E seu aparecimento pode ter origem genética ou hormonal.

Vigilância

É bom alertar que o hiper e o hipotireodismo têm a possibilidade de surgimento causada pelo estresse ou por outras razões que incentivem a sua evolução.

No final desta matéria, listam-se os principais sintomas da falta de regulação da tiroide. Em caso de aparecimento repentino e constante de um ou mais sintomas, procure orientação médica, pois existe tratamento.

Para as pessoas que têm hipotireodismo (menor produção de hormônio) e depende da medicação com base em levotiroxina, é recomendável que não se tome com leite e nem administre o princípio ativo com outros laticínios, como iogurte e queijos.

De acordo com um estudo [VIDEO] da Universidade da Califórnia (EUA), alimentos ricos em cálcio interferem na eficácia da medicação.

O melhor é que o paciente estipule um intervalo de duas horas entre a ingestão do remédio com a alimentação baseada em laticínios. Segundo os médicos, a eficácia da levotiroxina é maior no momento de deitar e após duas horas da última refeição. Eles observam que outros tipos de alimentos influenciam no tratamento como a soja, o café e os que são ricos em fibras e em ferro.

Para quem tem hipertireoidismo, não há contraindicação. Portanto, a alimentação é feita normalmente.

Sintomas

Hipotireoidismo: cansaço, ressecamento na pele, fraqueza, rigidez muscular, desânimo, aumento de peso, hipersensibilidade ao frio, esquecimento, rosto inchado.

Hipertireoidismo: perda de peso, diarreia, nervosismo, ansiedade, insônia, olhos saltados, batimentos cardíacos acelerados, excesso de suor.