De acordo com informações disponibilizadas pelos sites Independent e Mail Online, um painel formado por nada menos que 15 mil pesquisadores, provenientes de 184 países, emitiu uma carta onde alerta para o sombrio futuro [VIDEO] que a humanidade e a Terra enfrentarão caso a destruição do mundo natural continue a ocorrer nos níveis atuais.

A missiva é uma espécie de atualização – para pior – de uma mensagem produzida em 1992, que foi assinada naquela época por 1700 integrantes do grupo conhecido como Union of Concerned Scientists ("União dos Cientistas Preocupados" em português).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Natureza

O comunicado dizia originalmente que os impactos causados pelo homem levariam a uma "grande miséria humana", e resultariam em um planeta "irremediavelmente mutilado".

Vinte e cinco anos depois, a nova carta aponta que a visão da comunidade científica a respeito do amanhã se tornou ainda mais tenebrosa do que aquela tida anteriormente.

O Juízo Final se aproxima

A mensagem atual enfatiza, entre outros pontos, que o consumo excessivo de "preciosos" recursos naturais por parte de uma população mundial em expansão descontrolada continua a ser o maior perigo para a humanidade. Além disso, a nota chama a atenção para o desmatamento, a extinção de espécies e a perda do acesso à água doce.

Os pesquisadores escreveram que, por causa dos seres humanos, já está em curso "um evento de extinção em massa" – o sexto cataclismo do tipo identificado pela ciência em cerca de 540 milhões de anos – no qual muitas formas de vida atuais podem ser seriamente comprometidas ou até mesmo aniquiladas até o final deste século, que termina no ano de 2100.

Para embasar suas afirmações, os cientistas ressaltaram algumas estatísticas, que revelam, por exemplo, que desde 1992 houve redução de 26% na quantidade de água potável per capita no mundo, queda na quantidade de peixes capturados comercialmente (apesar de maiores esforços empregados na pesca), perda de 300 milhões de hectares de florestas e redução de 29% no número de animais selvagens – incluindo, além dos peixes, aves, anfíbios, répteis e mamíferos.

No entanto, os pesquisadores disseram que ainda há tempo para mudanças, as quais podem incluir comer menos carne (resultando em impacto menor no Meio Ambiente devido à redução de vastas áreas que são usadas na pecuária), ter menos filhos, consumir menos e usar energia "verde".

Os 15 mil especialistas alertaram em um trecho da carta: "Em breve, será muito tarde para mudar o curso de nossa trajetória falha, e o tempo está acabando". Além disso, os cientistas apontaram: "Devemos reconhecer, em nossas vidas diárias e em nossas instituições governantes, que a Terra, com toda a sua vida, é a nossa única casa".