Uma mãe foi diagnosticada com câncer terminal, mas sua vida recebeu um novo sinal de esperança. Na Inglaterra, já se fala em milagre de Natal o que aconteceu com Heidi Loughlin, de 35 anos, depois de ela ter sido informada de que está livre da doença. Isso depois de ela ter sido alertada que ela não teria mais que quatro anos de vida. No entanto, uma droga revolucionária contra o câncer [VIDEO] teria mudado todo o seu destino, e ela poderá viver esse Natal, junto com seus filhos, como ela jamais havia imaginado.

O medicamento revolucionário se chama Kadcyla e já está sendo considerado o maior avanço no tratamento do câncer da última década.

Tudo indica que foi isso que a fez desafiar sua sentença de morte, contrariamente a todas as piores expetativas.

Os médicos haviam alertado Heidi que ela tinha apenas quatro anos para viver, em setembro passado, quando seu câncer de mama raro e agressivo piorou. A jovem Mulher de Bristol se sentiu como lutando contra uma missão impossível, e pensava que sua luta nem valeria mais a pena. Afinal, ela estava perdendo sua batalha. Porém, pouco mais de um ano depois, aconteceu uma mudança incrível de eventos e os exames da semana passada mostram que seu corpo está atualmente livre da doença, supostamente por causa de Kadcyla.

A droga foi aprovada pelo serviço nacional de Saúde inglês, no início deste ano para milhares de mulheres que sofrem com um câncer de mama raro e agressivo. Heidi também já fizera tratamentos de quimioterapia para se livrar de sua doença, mas nunca se sentiu como agora.

Os melhores vídeos do dia

Heidi está verdadeiramente "agradecida" pelo precioso tempo que ela recebeu para passar com seus filhos [VIDEO] e seu parceiro Keith.

"Saber o que é dizer adeus, a ideia de ter que passar por isso de novo é absolutamente insuportável. Eu posso ousar sonhar que estarei aqui por muito tempo. Tenho apenas 35 anos, me sinto ótima. O mundo é a minha ostra agora", disse Heidi, que tem um blog, onde escreve sobre sua doença e te, elogiado muito seus resultados com essa nova Kadcyla, o medicamento que lhe está dando vida. "Atualmente, está impedindo meu câncer de se espalhar para dentro do meu corpo. Isso me dá uma vida relativamente convencional", contou a mãe de dois filhos.

Heidi estava grávida de três meses quando foi diagnosticada com um câncer de mama inflamatório raro e agressivo, em 2015. Ela recusou quimioterapia e ignorou as recomendações do médico, que sugeriu que ela fizesse um aborto. Ela preferiu manter sua gravidez, mas Ally Louise Smith nasceu 12 semanas antes do final do tempo, e acavou contraindo uma infeção, falecendo apenas oito dias depois do nascimento.

Heidi, que já tinha dois filhos, Noah, de 4 anos,e Tait, de 3, foi informada em setembro de 2016 de que seu câncer era terminal e que lhe restava pouco tempo de vida. Ela já ganhou uma legião de fãs online por seu blog muito honesto, chamado Storm in a Tit Cup, sobre sua doença. Sua vida recomeça agora e ela tem vários planos ainda para cumprir.