Visando o combate da doença da Febre Amarela, que nas últimas semanas tomou conta da mídia nacional, a Prefeitura de São Paulo adotou duas iniciativas a saber, o oferecimento de doses fracionadas da vacina e também que a população possa ser atendida por meio de senhas, [VIDEO] as quais seriam entregues nas residências dos habitantes da cidade através de profissionais da área de saúde.

O período para vacinação teve início no dia 25 de janeiro nos bairros tidos como locais de prioridade; sendo que, a previsão é que até o término do mês de maio toda a população, elegível dos distintos bairros paulistanos, tenha sido tratada.

O que causa mais alarde sobre a febre amarela é que a OMS (Organização Mundial de Saúde) se pronunciou sobre o tema, afirmando que o Estado de São Paulo na sua totalidade pode ser atingido pela doença, ou seja, tanto os moradores da Capital como aqueles que habitam a Grande São Paulo, o Vale do Paraíba e a Baixada Santista têm a necessidade de se imunizar.

Locais de vacinação

Vale frisar que até mesmo as pessoas originárias de outros estados, caso viajem para O Estado de São Paulo ou demais municípios considerados zonas de risco, terão de se vacinar.

O cronograma de vacinação até 24 de fevereiro contemplará a população de 16 seções da Capital, [VIDEO] consideradas como locais de urgência, que são:

  • Zona Leste: Cidades Tiradentes e Líder, Iguatemi, Guaianases, José Bonifácio, São Rafael, Parque do Carmo e São Mateus.

Em março a agenda prevê o atendimento de pessoas ainda nas Zonas Leste e Sudeste, tais como: Itaim Paulista, Ermelino Matarazzo, Itaquera, Lajeado, Jardim Helena, Ponte Rasa, São Miguel, Vilas Jacuí, e Curuçá, Arthur Alvim, Penha, Cangaíba, Carrão, Vila Matilde e Tatuapé.

  • Zona Sul: Grajaú , Capão Redondo, Cidade Dutra, Vila Andrade, Campo Limpo, Socorro, Jardim São Luís e Pedreira.

Para abril, a campanha partirá em direção a região central e porções das Zonas Oeste e Sul: Cambuci, Bela Vista, Bom Retiro, Liberdade, Consolação, Sé, República, Santa Cecília, Alto de Pinheiros, Butantã, Barra Funda, Itaim Bibi, Jaguaré, Jaguará, Lapa, Jardim Paulista, Morumbi, Perdizes, Rio Pequeno, Pinheiros, Cidade Ademar, Vila Leopoldina, Vila Sônia, Campo Grande, Campo Belo e Santo Amaro.

Em maio será a vez das pessoas de Água Rasa, Belém, Aricanduva, Ipiranga, Brás, Cursino, Jabaquara, Mooca, Moema, Pari, Vila Mariana, Sacomã, São Lucas, Sapopemba, Vila Prudente, Saúde e Vila Formosa, receberem a vacina.

Quanto à população da Zona Norte, Sudoeste e Itapecerica da Serra, essa se submeteu à campanha de vacinação no ano passado.

As unidades específicas aplicam a dose fracionada da vacina destinada ao combate da febre amarela, mas caso o indivíduo vá viajar para uma área de risco, ele tem de se vacinar com 10 dias de antecedência [VIDEO] ao seu deslocamento.

Tipo de vacina na rede pública

As UBSs pretendem agilizar e ampliar o raio de atingimento da vacinação com as doses fracionadas, cuja vacina em questão tem 0,1 ml e tempo de validade de 8 anos no mínimo. A título de esclarecimento, a dose padrão da vacina é de 0,5 ml.

Crianças de 9 meses até dois anos; indivíduos portadores do vírus HIV (Aids); pessoas na fase final de quimioterapia e gestantes devem ir ao médico para saber se existem contraindicações quanto a vacina.

Vacina contra febre amarela na rede particular

Muito embora seja possível receber a vacina da febre amarela na rede privada, laboratórios e clínicas, pagando a partir de R$ 160, os lotes estão esgotados nos últimos dias em São Paulo, os quais deverão ser reabastecidos somente no final de fevereiro.