Para tranquilizar a população, que tem provocado verdadeiro corre-corre nos postos de saúde, buscando prevenção contra febre amarela, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES) realizará, de 25 de janeiro a 17 de fevereiro, um amplo conjunto de ações de cobertura vacinal para a doença. As ações deverão atingir 8,3 milhões de pessoas e reúne órgãos, como o Centro de Vigilância Epidemiológica, Divisão de Zoonoses e Superintendência do Controle de Endemias (Sucen). A pasta ministrará doses fracionadas deste remédio que tem capacidade de imunização para oito anos. Em 3 e 17 de fevereiro as ações serão complementadas com "Dia D", quando se espera um número maior de procura pela vacina.

Doença infecciosa aumenta temperatura do corpo infectado

Classificada pelas autoridades como doença infecciosa, elevando a temperatura do organismo, a febre amarela, que de acordo com o CVE, tem 81 casos no Estado, com 36 óbitos, nasce de vírus dos vetores artrópodes. Com etapas [VIDEO] epidemiológicas silvestre (mata) e urbana (cidade), a infecção preocupa pelas alterações na saúde do paciente. Ela tem também agilidade para se disseminar nas áreas urbanas pelo Aedes aegypty.

Enfermidade não passa de uma pessoa para outra

Especialistas classificam o agente infeccioso da doença como um arbovírus de tipo flavivirus. Segundo ainda os especialistas, a infecção é transmitida pela mordida dos transmissores doentes e não se transfere se um doente tocar uma pessoa. Eles alertam, porém, que a vacina [VIDEO] é de fundamental importância na prevenção dessa patologia.

Patologia é a mesma nos tipos silvestre e urbano

Estes estudiosos acrescentam que desde as causas da doença, funções orgânicas e imunidade [VIDEO] à infecção, a patologia se iguala nos estágios silvestre e urbano.

No ciclo silvestre da febre amarela, os macacos são os principais hospedeiros e fortalecedores do vírus. Os vetores são mosquitos da mata, sendo que o Haemagogus e os Sabethes requerem maior atenção dos epidemiologistas.

Homem é o único hospedeiro do vírus na cidade

No ciclo urbano o homem é o único hospedeiro de atenção epidemiológica da febre amarela devido à transferência de germes através de vetores e mesma condição, ou seja, o Aedes aegypti, infestado.

Governo de São Paulo interdita zoológicos na Capital

Nesta terça feira, 23, o Governo do Estado interditou por tempo indeterminado, o acesso à população em três áreas de matagais: o Zoológico de São Paulo, o Zôo Safari e o Jardim Botânico. O motivo é a constatação de um macaco morto por febre amarela nesta região da Zona Sul da Capital.