Estudos feitos em corpos de neandertais, na região dentária, revelou que os ancestrais utilizavam ervas com potências medicinais semelhantes à aspirina para dores, em diversas partes do corpo, mas em especial, nos dentes.

Sabe-se que essa espécie habitou a Europa e alguns lugares do oeste da Ásia acerca de aproximadamente 29.000 anos atrás, e até hoje, seus costumes e aparências são estudadas para conhecimentos mais profundos sobre a nossa espécie atual, o Homo sapiens sapiens.

Com o cérebro aproximadamente 10% maior que a nossa massa cerebral atual, e extremamente adaptados ao frio, não era mais que o esperado que eles sentissem dores, e convivessem com diversas feridas, devido à necessidade de caça diária para sobrevivência, com suas ferramentas manuais de ferro.

Mas como eles aliviavam essas dores?

De acordo com o estudo, o jovem que fora analisado na pesquisa consumia, para diminuir suas dores o fungo Penicillium, utilizado hoje para a Penicilina, e também o Álamo, planta rica em ácido salicílico, um dos principais ingredientes da Aspirina

Segundo uma pesquisa publicada na revista científica Nature, os indivíduos que também habitavam a região não tinham o costume de se alimentar de carne [VIDEO], mas tinham no cardápio cogumelos, pinhões e musgos recolhidos pela floresta, o que é uma descoberta que se contrasta diretamente com o senso comum de que nossos ancestrais eram todos carnívoros de mão cheia. O que provavelmente acontecia, era que eles estavam vivendo em uma região de floresta densa, com uma riqueza de vegetais, ao contrário de outros Neandertais, que se localizavam em ambientes desérticos.

Aparentemente, não como hoje em dia, os nossos ancestrais tinham um vasto conhecimento sobre as plantas ao seu redor, as utilizando como poderosos medicamentos, para diversos fins. Essa análise é possibilitada devido à conservação do DNA dos indivíduos ao longo do tempo, por bactérias.

Atualmente, nosso DNA é composto por 1 a 3% com características neandertais, o que nos dão traços ainda característicos da espécie. Por mais que sejamos completamente diferentes em alguns casos, como a dieta ainda mais rica em carne para algumas pessoas, ou até mesmo a presença de queixo, característica ausente nos Neandertais, (Sim, eles não tinham queixo!), compartilhamos de um mesmo costume: A utilização de ervas e plantas em geral para nossa medicação, como um tratamento natural, o que nos revela que a essência do ser humano, é carregada de geração para geração.