A Menopausa é um processo natural que ocorre entre 47 e 52 anos e está associada a diversos sintomas [VIDEO] clínicos, entre eles as ondas de calor ou fogachos, também conhecido como sintomas vasomotores. Todas as mulheres que passaram ou passam por esse processo sabem o quanto é incômodo o famoso calor que sobe e desce, muitas vezes associados a calafrios.

Causa e tratamento

O grupo do pesquisador Robert R. Freedman esclareceu que com redução do estrógeno na menopausa há alterações cerebrais (nas regiões: tronco encefálico, córtex pré-frontal e ínsula) e na atividade do sistema nervoso simpático, ocasionando o aumento da temperatura corporal juntamente com rubor facial e transpiração.

Alguns medicamentos não hormonais, como antidepressivos e o anti-hipertensivo clonidina, podem proporcionar alívio dos fogachos, mas não são tão efetivos como o estrógeno e podem apresentar graves efeitos colaterais.

O efeito benéfico do tratamento com estrógeno para amenizar os fogachos teve seu auge até aproximadamente 2002, quando foi publicado o WHI (Women's Health Initiative), uma vez que o uso do hormônio foi associado ao aumento no índice de câncer mamário e acidente vascular encefálico (AVE).

“O WHI foi um marco para as mulheres e para a pesquisa científica, pois houve a necessidade de se repensar a respeito dos tratamentos hormonais, surgindo assim outras possibilidade terapêuticas", afirma a professora Maria Helena C. de Carvalho, da Universidade de São Paulo USP).

Entre as mulheres ocidentais, 75% sofrem com os fogachos.

Entretanto, a porcentagem é menor entre as mulheres orientais, algo em torno de 20%.

Recentemente, a revista Nature Reviews (edição de fevereiro 2018) publicou uma revisão relatando sobre os diversos fatores que podem influenciar o desenvolvimento e os sintomas da menopausa, entre eles a etnia e a alimentação.

Soja

A soja (Glycine max) é uma leguminosa muito utilizada na alimentação oriental (shoyu e tofu) que contém isoflavona, composto bioativo de estrutura química similar ao estrógeno. Estima-se que consumo diário de Soja seja entre 8 e 50 mg em países orientais e de 0,1 e 3,3 mg nos ocidentais. Sendo assim, sugere-se que soja possa contribuir no processo natural da perda do estrógeno.

A revista Menopause (edição 19(7):776-90) publicou uma análise demonstrando os efeitos benéficos do extrato de soja e isoflavona sobre as ondas de calor em mulheres de diferentes nacionalidades, inclusive brasileiras.

Segundo a nutricionista Andrea Prisco, é importante atentar-se na dose diária de isoflavona para amenizar os fogachos e sugere o consumo de leite de soja (1 xícara tem, em média, 48 mg de isoflavona), do tofu (1/2 xícara tem, em média, 76 mg de isoflavona) ou o grão cozido.

A Sociedade Norte-Americana de Menopausa, por meio das recomendações anuais, indica o consumo de soja para reduzir alguns sintomas da pós-menopausa. “A recomendação diária é entre 40, 80mg de isoflavona. Além disso, é importante ressaltar que a biodisponibilidade da isoflavona no organismo é influenciada por uma flora intestinal saudável”, afirma Andrea.

Perspectiva

Até o momento, a ciência colaborou em demonstrar que a soja pode exercer efeito benéfico sobre os fogachos. Além da soja, outros fitoestrógenos como a ginkgo biloba, o trevo-vermelho, a folhas de amora e o black cohosh, também podem exercer efeitos benéficos. Vale lembrar que a individualidade genética [VIDEO] de cada mulher pode ser fundamental nas respostas aos diferentes tratamentos e, por isso, consultar especialistas, médico e nutricionista é de suma importância.