É isso mesmo que você leu. Sem nenhum sensacionalismo, a frase do título não tem duplo sentido e nem foi colocada só para atrair leitores. Muito menos tem a intenção de incentivar um isolamento entre as pessoas, mas estudos comprovam que ser Antissocial tem seus benefícios para nossa saúde mental [VIDEO] e para nossa criatividade.

Foi o que constatou o pesquisador Gregory Feist, especialista em psicologia da criatividade da Universidade Estatal da Califórnia (EUA), em seus estudos relacionados à personalidade de artistas. Ele descobriu que os artistas têm um interesse menor em ser sociáveis. Essas pessoas fazem isso porque passando mais tempo sozinhas conseguem se concentrar em seus projetos e, consequentemente, produzem mais.

De acordo com a também psicóloga Julie Bowker, da Universidade de Buffalo, o distanciamento social pode ser divido em três níveis. A pessoa se afasta:

  • por timidez
  • por não gostar da vida social
  • por preferir a solidão

Um estudo publicado por ela foi o primeiro a mostrar os efeitos benéficos de ser uma pessoa antissocial e que a criatividade estava ligada a esta característica.

Faz sentido. É fácil perceber como pessoas tidas como solitárias têm mais foco e determinação. Elas dificilmente se preocupam com a opinião alheia e também não se deixam abater por críticas dirigidas as suas metas e objetivos.

E não são apenas os artistas. Estudantes, por exemplo, que se preparam por anos em busca da tão sonhada vaga naquela universidade ou naquele concurso público são muitas vezes tidos como antissociais pois, para alcançar seu objetivo, isolam-se em meio a livros, cadernos e apostilas.

Cabe aqui, resumidamente, um esclarecimento quanto ao termo sociável. Trata-se da pessoa que está sempre rodeada por outras pessoas, ou seja, tem vida social intensa. Gosta de eventos, reuniões da empresa, baladas, almoços de família, enfim, nunca desperdiça um convite para uma festa.

Quando se fala em alguém antissocial não se trata de um isolamento absoluto - que pode ser um problema. O antissocial citado aqui é o da pessoas com aversão ao convício social, que é mais reservada, mas que tem bons amigos e mantém contato, ainda que esporádicos, com eles.

O isolamento social extremo mantido por longos períodos é potencialmente perigoso. Apresenta riscos graves para a Saúde, comparáveis aos da diabetes. Mas são casos específicos, como pessoas sequestradas, presos isolados em solitárias por muito tempo ou pessoas abandonadas em asilos ou orfanatos.