O físico e pesquisador Stephen William Hawking faleceu na madrugada desta quarta-feira (14), aos 76 anos de idade, em sua residência na Inglaterra. Ele tornou-se conhecido como um dos mais famosos cientistas do planeta, após abordar assuntos como a origem do universo e os efeitos da gravidade.

Além disso, o físico britânico foi um modelo de superação e determinação ao lidar durante muitos anos com a esclerose lateral amiotrófica, enfermidade degenerativa que fez com que o cientista dependesse de aparelhos para se locomover e se comunicar.

Curiosamente, Hawking nasceu no dia 8 de janeiro de 1942. Trezentos anos antes, na mesma data, morria Galileu Galilei.

Em 14 de março de 1879, nascia Albert Einstein [VIDEO]. A coincidência entre as datas de nascimento e de morte destes três ícones da Ciência alvoroçou a internet, que já especula sobre a possibilidade de que no dia 8 de janeiro deste ano, ou até mesmo hoje, tenha nascido um novo gênio.

No final dos anos 1960, Stephen Hawking ganhou notoriedade com sua teoria da singularidade do espaço-tempo, na qual aplicava a lógica dos buracos negros ao universo como um todo. Seu best-seller Uma Breve História do Tempo, de 1988, detalha esta teoria ao público geral.

Dentre todas as contribuições e declarações científicas que Stephen Hawking deu ao longo de sua vida, talvez a mais polêmica seja a respeito de como ele considerava que o mundo alcançaria seu fim. [VIDEO] O cientista tinha em mente quatro cenários apocalípticos para o planeta, caso não se tomasse as providências necessárias para impedi-los.

Um dos cenários mais chocantes conta com uma possibilidade que, para a público em geral, pode parecer meio hollywoodiana. Nela, os seres humanos acabariam dominados pelas máquinas.

Hawking acreditava que que seria perfeitamente possível que um dia a inteligência artificial se igualasse ou superasse a inteligência humana. Caso isso viesse realmente a ocorrer, as máquinas passariam a evoluir sozinhas e em ritmo vertiginoso, enquanto a humanidade, cuja a evolução biológica é mais lenta, acabaria ficando para trás. Sem a possibilidade de competir com as máquinas, os seres humanos acabariam substituídos por elas.

O físico também jamais descartou a possibilidade de que o mundo tivesse fim durante uma guerra nuclear, algo que, infelizmente, parece cada vez mais iminente. Vírus letais, criados em laboratório, também constituíam uma preocupação para Hawking.

Segundo ele, enquanto armas nucleares ainda possuíam algumas limitações para sua criação e armazenamento - locais grandes e alto custo -, as armas biológicas poderiam ser criadas em um pequeno laboratório e espalhadas com enorme facilidade, fosse através de uma acidente ou de forma intencional.

Por fim, Hawking temia que o aquecimento global pudesse transformar a Terra em um planeta como Vênus. Com o derretimento das calotas polares, a quantidade de energia solar que anteriormente seria refletida por elas de volta ao espaço, diminuiria consideravelmente, fazendo com que a mesma energia ficasse retida na atmosfera terrestre e aquecesse demais o planeta.

Caso isso ocorresse, o aquecimento global iria piorando gradativamente, conforme o planeta esquentasse e conseguisse reter ainda mais calor solar. Neste caso, a Terra poderia acabar com 250 graus na sua superfície e sofrer com chuvas de ácido sulfúrico, tal como ocorre em Vênus.