O alcoolismo nada mais é do que a dependência do ser humano pelo álcool. [VIDEO] É uma doença crônica e multifatorial, isto é, que vários fatores contribuem para o seu desenvolvimento, como a frequência do uso do álcool, a condição de saúde do indivíduo e fatores genéticos, psicossociais e ambientais. O Alcoolismo prejudica todos os órgãos do corpo humano e principalmente afeta o estado emocional, podendo gerar agressividade na vida cotidiana do indivíduo.

Segundo estudos feitos pela USP (Universidade de São Paulo), os alcoólatras sofrem perda da inteligência emocional, isto é, não sabem distinguir sentimentos, como: medo, tristeza, nojo.

Eles utilizam a bebida para fugir de problemas. O estudo ainda demonstrou que os alcoolistas sofrem de traumas de infância, que desencadeou a dependência pela bebida.

Um dependente químico não é o que bebe em excesso, mas é àquele que não consegue ficar sem ingerir álcool, caso não consuma sofre abstinência. Com tudo isso, um alcoólatra não sofre apenas danos físicos, ele torna se uma pessoa de difícil convivência por estar sempre de mau humor, cria brigas desnecessárias dentro de casa, é intolerante no trabalho com colegas, subordinados e chefes.

Muitos alcoólatras não se preocupam mais com sua higiene pessoal e isso acaba afastando as pessoas. O dependente químico ele pode colocar a vida de terceiro em risco, como digerir bêbado, por exemplo. Um alcoólatra jamais deve pegar no volante de um carro ou pilotar uma moto, até estar totalmente tratado.

O álcool e a Saúde

O álcool é uma droga que é vendida licitamente, mas que causa os mesmos danos que as ilícitas. O álcool quando ingerido, logo o estomago o absorve e em instantes ele cai na circulação sanguínea. O álcool em contato com o sangue, ele se transitará para órgãos que tem maior concentração de água, como os rins, cérebro, coração e fígado. O consumo de álcool em excesso em médio e longo prazo pode causar: gastrite, cirrose hepática, infarto, trombose, impotência, infertilidade, câncer, demência, anorexia alcoólica (quando deixar de comer alimentos e se alimentar apenas com bebidas alcoólicas) e sete tipos de possíveis câncer, como: na laringe, faringe, esôfago, fígado, colo, reto e mama.

O álcool mata muito mais rápido pelo excesso, do que por ser um dependente químico, visto que a dependência é uma doença crônica que praticamente destrói a vida da pessoa e de sua família em todas as áreas, e deve ser tratada com urgência para que o indivíduo volte a conviver bem na sociedade, compartilhando de bons momentos e para que ele não venha se vítima de nenhuma doença que o álcool pode causar em médio e longo prazo.

A cantora Amy Winehouse, por exemplo veio a orbito por excesso de consumo de bebida alcoólica. [VIDEO] A morte foi provocada pelo álcool, todavia é relevante avaliar a condição física e da saúde de cada um, o peso, a altura, a tolerância ao álcool.

O tratamento

O tratamento mais eficaz hoje é o acompanhamento psiquiátrico. Mas, antes de mais nada o dependente precisa se aceitar com a tal condição e ter o apoio da família.

O alcoolismo é um problema complexo e precisa de um tratamento que venha funcionar com eficácia. Existem vários tipos de tratamento que tem gerado resultados positivos, porém o tratamento com o psiquiatra tem trazido atualmente um retorno muito melhor e maior do que outros métodos aplicados.

O primeiro passo é identificar que o familiar sofre com alcoolismo, os sinais mais relevantes são: perda de consciência, tontura, tremores, desejo pela substância ou suor, agitação, agressão, comportamento autodestrutivo, comportamento compulsivo ou falta de moderação, ansiedade, culpa, descontentamento geral, euforia ou solidão, náusea ou vômito, delírio ou medo, dependência física de substâncias, fala arrastada, problemas de coordenação ou tremor.

Se identificar mais de 5 destes sintomas, procure o psiquiatra, pois ele é responsável em tratar da depressão, da ansiedade, e de todos esses sintomas que desencadeiam ao etilismo (alcoolismo). O Tratamento baseia se em ouvir o paciente, orientá-lo, prescrever a medicação e também, se necessário fazer a terapia familiar.