Você já ouviu falar sobre a síndrome da vagina morta? Se já ouviu provavelmente não sabe do que se trata, este é um dos assuntos mais discutidos nas redes sociais em várias partes do mundo, principalmente em fóruns e chats dos Estados Unidos e Reino Unido. Mas afinal de contas o que é a tão temida "Dead Vagina Syndrome", (síndrome da vagina morta) e por que ela vem amedrontando mulheres em todo o mundo? Trata-se de uma doença contagiosa? É algo que coloca a vida das mulheres em risco? Saiba mais.

O que se sabe até o momento sobre tal síndrome?

O alarde sobre essa síndrome relaciona a perda da sensibilidade vaginal por causa do uso excessivo de vibradores.

Ao que tudo indica, trata-se da disseminação de mais um tabu para deixar as mulheres culpadas e coibir o uso de sexy toys e a masturbação feminina.

Segundo as teorias espalhadas nas redes sociais, quando a mulher opta por usar tais brinquedinhos para estimular o orgasmos, ela acaba criando uma condição rara que a impede de sentir prazer tanto com parceiros de carne e osso, quanto com os vibradores. Ou seja, em outras palavras a "ppk" faleceria e nunca mais sentiria prazer.

A síndrome da vagina morta pode ser considerada uma espécie de lenda urbana, já que não existem estudos na medicina que comprovem que a mulher pode perder a sensibilidade e o prazer caso faça uso continuo de vibradores.

Opinião de quem entende

De acordo com psicólogo e terapeuta sexual Oswaldo Martins Rodrigues Jr., diretor do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade Humana), o que pode acontecer quando há um excesso de estimulação na vagina como em qualquer outro órgão do corpo é que a região passe por um período de dormência.

Sendo assim, a sensibilidade certamente vai retornar algumas horas depois ou mesmo no outro dia, não existe nada que comprove que o uso de vibradores que é bastante comum até mesmo entre os casais pode causar a perda da sensibilidade definitivamente.

Martins fez apenas um alerta sobre a introdução de vibradores e masturbadores com tamanho exagerado que pode provocar lesões e causar dores no momento das relações sexuais.

A ginecologista e obstetra Shazia Malik, do Reino Unido, também afirmou que a síndrome da vagina morta não passa de um mito, segundo ela a dormência causada nas mãos provocada por algum tipo de vibração geralmente desaparece em uma hora, e o mesmo pode ser detectado no órgão sexual feminino. Malik também falou sobre estudos feitos com mulheres que usam vibradores com frequência e que apenas 0,5% delas revelou que o uso do mesmo provocou perda da sensibilidade por mais de um dia.

A tão temida síndrome não passa de um tabu, não é uma doença e muito menos contagiosa.

Como prevenir doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)?

O melhor meio para combater as doenças sexualmente [VIDEO] transmissíveis (DSTs) ainda é a prevenção.

Entre os métodos mais eficazes e baratos está o uso da camisinha, quem preza por sua Saúde e integridade não transa sem preservativos.

Veja estas dicas de como se previnir [VIDEO]:

  • Todos os adultos entre 13 e 64 anos devem fazer exame para SIDA pelo menos uma vez.
  • Exame anual para Clamídia e gonorreia em todas as mulheres abaixo de 25 anos e nas mulheres acima desta idade que tenham múltiplos parceiros.
  • Exames para Sífilis e hepatite B em todas as gestantes
  • Exame anual para Sífilis, Clamídia e gonorreia em todos os homens homossexuais e bissexuais.
  • Exame anual para SIDA em todos os homens homossexuais e bissexuais, assim como em pessoas que usam drogas injetáveis. Esta frequência pode ser aumentada dependendo do número de parceiros e da frequência de uso da droga.