A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza [VIDEO] (vírus da gripe) que teve início neste ano de 2018 no dia 23 de abril, e que estava prevista para até o dia 1º de junho, foi prorrogada nesta última terça-feira (29) pelo Ministério da Saúde (MS) até o próximo dia 15 de junho. O comunicado foi oficialmente divulgado nas redes sociais do próprio órgão público.

A medida visa conseguir atingir a meta do governo de imunizar um total de 54,4 milhões de pessoas, sendo que até o momento foram imunizadas somente 35,6 milhões, cerca de 66% do considerado “público-alvo” pelo Ministério da Saúde.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Saúde

Com essa prorrogação, o governo espera conseguir imunizar os 18,8 milhões de pessoas que ainda não receberam a vacina.

A campanha foi prejudicada, segundo o Ministério da Saúde, principalmente por causa da paralisação dos caminhoneiros em todo país [VIDEO], que teve início na segunda-feira (21) e se estende parcialmente até a data atual (30), o que causou várias complicações com relação à locomoção das pessoas até um posto de saúde para que recebessem a dose da vacina.

Quem tem direito à vacinação gratuita

O público que tem direito à vacina gratuitamente [VIDEO] através do Sistema Único de Saúde (SUS) são pessoas que vivem em áreas consideradas “de risco” onde já houve casos da influenza, pessoas idosas a partir dos sessenta anos de idade, crianças que tenham a idade a partir dos seis meses e menores de cinco anos, profissionais que trabalham diretamente na área da saúde ou educação, pessoas de procedência indígena, mulheres que tiveram processo de parto em até 45 dias e pessoas que por qualquer motivo sejam privadas de liberdade, bem como todo sistema prisional do país.

Para as pessoas que não estiverem enquadradas nessas situações, a vacina também estará disponível através das redes privadas de saúde, mas nesse caso deverá ser pago um valor que fica em cerca de R$ 100 a R$ 200 por dose.

Os três diferentes tipos de Influenza

Esse tipo de gripe é uma infecção respiratória classificada em três tipos: A, B e C, sendo que a “A” é a menos agressiva das três, mas em todos os níveis os sintomas mais clássicos são: tosse seca, dor de garganta e de cabeça, além de febres altas e até mesmo dores musculares. Nos casos com mais gravidade, geralmente nos tipos “B” e principalmente “C”, a gripe pode se estender para pneumonia problemas respiratórios mais graves, e nesses casos a internação para devido tratamento por profissionais da saúde é imprescindível.

Como diferenciar a gripe do resfriado

Basicamente no resfriado os sintomas são bem parecidos com o da gripe, porém, como a infecção é causada por um tipo diferente de vírus e menos agressivo que o da Influenza, a recuperação da pessoa infectada se torna muito mais rápida e os sintomas bem menos agudos.